JoAnInHaS falam no silêncioOoOo (:|:)

…e o que elas escrevem?!

No.Reino.das.Alparcas.Sobressalentes.

Nomadéges era belo, elegante, descontraído. Tudo o que um príncipe herdeiro deveria ser. Mas ele só era príncipe e não herdeiro. Era o segundo dos 8 filhos do rei Hurpédio e da rainha Ságlora. Que majestavam com alegria o Reino das Alparcas Sobressalentes.

Estava ele certo dia sentado no jardim do palácio lendo um de seus livros preferidos, quando a carruagem do Conde Monthecí parou a uma certa distância. Nomadéges ficou observando com certa expectativa e com toda razão. Da carruagem desceu a linda filha do conde, a condessa Glérita, com um suntuoso vestido amarelo.

_Hei! Se é a mim que você procura, é aqui que eu estou!

Disse Nomadéges em alta voz. Glérita olhou para ele veio andando em sua direção. Nomadéges levantou-se e também foi ao encontro dela. Ao se aproximarem ele disse enquanto pegava sua mão:

_Você está cada vez mais linda!

Ela respondeu enquanto ele beijava as costas de sua mão com suavidade:

_E você está cada vez mais convencido!

Nomádeges levantou o rosto com um sorriso maroto.

_Quem disse que vim procurá-lo?

Ela disse e ele sorriu de novo:

_E não veio?

Dessa vez o risinho foi dela:

_Não. Vossa majestade, a rainha Ságlora, mandou me chamar.

Nomadéges franziu a testa curioso e Glérita logo emendou: _

Não sei o que ela quer. Então não me olhe assim. Só espero que você não tenha nada a ver com isso.

Ele fingiu ficar sério:

_Eu? E por que teria? Eu nada sei dos assuntos de minha mãe. Mas seja o que for que ela tenha para te dizer… você irá me contar, não é , Glérita?

Ela meio sem jeito tentou responder:

_Nomadéges, eu não sei  nem o que…

Nomadéges a interrompeu: _

_Ora vamos, Glérita! Eu sou seu melhor amigo. Não vai guardar segredos de mim não é?!

Glérita falou firme:

_Nomadéges! Como se atreve a me pedir isso? Se você quiser saber o que sua mãe tem para tratar comigo, pergunte você mesmo a ela!

Antes que ele pudesse dizer alguma coisa, ouviu sua  mãe gritar da escadaria do castelo:

_Glérita, querida! Estou aqui! Venha de pressa!

Glérita foi em sua direção e Nomadéges lhe perguntou:

_Não vai ao menos se despedir?

Glérita parou, olhou para trás, deu um suspiro de reprovação para Nomadéges e continuou a caminhar ao encontro da rainha.

A rainha tinha uma voz tão aguda que Nomadéges, mesmo distante a ouviu elogiar Glérita:

_Ah! Você está radiante neste vestido amarelo!

Nomadéges, que caminhava de volta para sua cadeira de leitura finamente almofada com seda indiana, balançou a cabeça enquanto sorria, pois concordava plenamente com o elogio de sua mãe.

Sentou-se novamente, mas já não conseguia mais ler. A imagem do belo rosto de Glérita não saia de sua mente. Ficou ali por um tempo a imaginar o que sua mãe queria com ela. Nisso, viu uma bela plebéia surgir pelo lado da entrada do vale dos girassóis em direção à entrada dos criados do castelo. Ela carregava uma cesta nos braços, e outra dependurada em seus ombros, ambas repletas de girassóis. Deveria ser uma nova criada, pois seu rosto não era conhecido para ele.

Depois de um longo tempo, viu ao longe Glérita descer as escadas acompanhada de sua mãe, a rainha,  que a abraçava e lhe falava alguma coisa discretamente. Ao pé da escada a rainha a abraçou e se despediu com um beijo na face. Enquanto sua mãe voltava para dentro do palácio, Nomadéges ascenou para Glérita. Séria, ela mau meneou a cabeça para ele e subiu na carruagem. Nomádeges não gostou nada daquilo tudo; e ficou muito incomodado.

 Seja como for, na hora do almoço, Nomadéges não achou que seria uma boa hora para comentar algo com sua mãe. A mesa de 54 lugares estava repleta de girassóis que alegravam o salão nobre reservado somente para as refeições da família real. Assim, Nomadéges deduziu que não seria um almoço qualquer.

Todos estavam reunidos. O bondoso rei Hurpédio, a sábia rainha Ságlora, seus oito filhos: Binzíntio, Nomadéges, Aiú, Glorítides, Slópatra, Sonífeu, Ogrípio e Helecíncia; e o sobrinho neto da rainha, Trolísdipo.

_Meus queridos filhos, filhas e sobrinho… Eu e meu querido esposo, encarando a realidade de que já não somos mais tão jovens e percebendo a necessidade de preparar  nosso trono para o novo rei, queremos anunciar o grande noivado de Binzíntio que  deverá acontecer dentro de 6 meses!

 Nomadéges, mesmo sem entender o porquê, não gostou nada da notícia. Ficou tão desconfortável que mau entendeu o que seu irmão disse ao se levantar. Alguma coisa com não estar afeiçoado. Somente percebeu que a rainha Ságlora, sorriu para seu irmão com ternura e disse sabiamente:

_Mas até lá, estarás meu filho. Estarás.

Binzínio tomou seu lugar, enquanto todos levantavam suas taças para brindar o pronunciamento de um acontecimento tão importante. Em silêncio Nomadéges se perguntava: “Estará o que? Afeiçoado? Mas por quem?!” Um frio lhe percorreu a espinha quando a imagem do lindo rosto da jovem Glérita lhe veio a mente mais uma vez.

(:|:)

Anúncios

22 de abril de 2009 - Posted by | Conto de Fadas sem Fadas, Romances | , , , , , , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: