JoAnInHaS falam no silêncioOoOo (:|:)

…e o que elas escrevem?!

.ao.meio.dia.

Já era quase meio dia. Cecília havia pintado as unhas com um vermelho aberto e vibrante para a ocasião daquele dia. Preferiu um vestido de cor cru, algo mais neutro e suave. Assim, exagerou na maquiagem e na cor dos acessórios. Naquele dia preferiu dar atenção aos detalhes. Unhas, brincos, sombra, batom, sapato. Sim, usou aquele sapato lindo furta-cor que apertavam seus dedos. Mas era para algo tão especial que todo o esforço compensava.

Já era quase meio dia. Cecília ajustou a flor vermelha que prendia uma mecha de seu cabelo. Preferiu deixa-lo natural. Ondulados esvoassantes, como ela mesma dizia. O tom cobreado escuro de seu cabelo contrastava com o vermelho vivo da flor no cabelo, já a flor combinava com o vermelho vibrante das unhas. Enfim, coisa de mulher apaixonada.

Sim! Cecília toda bela e perfumada daquele jeito mais parecia a úlitma romântica do mundo. E talvez o fosse. Por fim, deu uma última olhada no espelho e respirou fundo enquanto o colocava dentro da bolsa. Tomou mais um fôlego e saiu do carro.

Já era quase meio dia. Cecília caminhou firme até o prédio. Suas pernas tremiam tanto que parecia que a qualquer momento ela iria despencar e ficar estirada no chão. Suas mãos, pés e costas suavam mais do que o normal. Sua respiração estava mais ofegante, estava com aquele terrível frio na barriga e o coração batia acelerado. É. Ela realmente estava apaixonada.

Já era quase meio dia. Cecília subiu dois lances de degraus até a porta do edifício. Ela trabalhava ali também. Mas começava apenas às duas da tarde. Estava bem adiantada, mas isso não era o mais importante. O mais importante viria logo mais, afinal já era quase meio dia.

Por fim, Cecília se ajustou próxima a porta central, bem ao lado do grande relógio-monumento que ficava à porta principal do prédio. O fluxo de entrada e saída de pessoas  pelas 3 portas do prédio era muito grande nessa hora. Mas ali era o lugar em que ela sempre ficava. Tudo já estava pronto. Ela estava linda mais uma vez, e principalmente no lugar certo e na hora certa, segunda sua própria teoria.

Já era quase meio dia. Os olho de Cecília se fixaram em um ponto. Era ele. Ele vinha lá de dentro do edíficio. Sempre engravatado. Um empresário à rigor. Ele vinha como sempre, acompanhado de outros. Mas ele se destacava aos olhos ao coração de Cecília. Ele vinha com pressa, conversando. Hoje até estava rindo um pouco, geralmente vinha mais sério, sempre tratando de negócios.

Agora sim. Já era meio dia. A hora exata. O momento único em que ele passava por ali, virava a cebeça para a esquerda para conferir hora do relógio-monumento com seu relógio de pulso. E nesse meio termo, ele via Cecília. Porque ela sempre estava lá, ao meio dia. Ela dizia “Oi” e ele a olhava rapidamente, acenava levemente com a cabeça para aquela desconhecida e verificava seu relógio de pulso.

Tudo muito rápido, nehuma palavra dele, nehum aceno com a mão, nenhum abraço caloroso. Apenas um leve balançar de cabeça desinterissado, descompremetido e indiferente. Mas para Cecília era um momento singular. Meio dia era o momento alto do seu dia, onde ele a olhava por um breve segundo, quando ele era obrigado a perceber que ela existia. E mesmo que ele não percebesse e a cumprimentasse apenas por educação, ela não se importava. Pois amanhã seria outro dia: a esperança de um novo meio dia.

(:|:)

 

Anúncios

15 de fevereiro de 2010 Posted by | Conto de Fadas sem Fadas, Romances | , , , , , , | Deixe um comentário

.ilusões.

Ah, se ela soubesse minhas verdadeiras inteções para com ela! Ah, se ela soubesse o que realmente sinto! Ah, se ela soubesse meu nome! Ah, se ela soubesse que existo ao menos! Ah! Tudo poderia ser diferente… Ela não seria tão triste, não choraria pelos cantos, não sofreria por quem não a merece.

Ah, se ela olhasse pra mim! Ah, se ela ao menos me desse bom dia! Ah, se ela aceitasse minha carona! Ah, se ela acenasse pra mim! Ah! Tantas coisas poderiamos viver juntos… Ela não teria que ficar calada, porque eu a ouviria. Ela poderia até ficar zangada porque eu suportaria suas xingações.

Ah, se ela me desse uma chance! Ah, se fossemos ao menos amigos! Ah, se ela me pedisse um favor qualquer! Ah, se ela esbarrace em mim! Ah, se ela me maltratasse! Ah! Essa monotonia poderia mudar… Ela não viveria com a cara fechada, e até sorriria de besteirinhas. Ela iria soltar seus lindos cabelos ondulados e os deixaria livres ao andar pela rua. Eu a encheria de elogios, e se ela não gostasse eu não me chateria, ficaria feliz em ter a oportunidade de tentar agradá-la mais uma vez.

Ah! Se ela ao menos se permitesse ser feliz. Eu faria de tudo para conquistá-la, para que ela sorrise, para que ela fosse feliz, alegra e cheia de vida. E mesmo que ela não me amasse eu me sentiria pleno em saber que ao menos ela saberia de meu amor por ela.

Ah! Se…

(:|:)

30 de novembro de 2009 Posted by | Conto de Fadas sem Fadas, Fantasia | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.24.de.novembro.de.2008.

Sim, e daí?!

Não tenho vergonha de admitir que ainda gosto de você.

Vergonha é negar o que se sente e fingir ser indiferente.

Vergonha é esconder um sentimento que está vivo em cada momento.

Vergonha é ficar calado,  quando a tanto para ser falado.

Vergonha é fingir que não quer ver, quando é impossível não perceber.

Vergonha é calar a voz, quando se tem a oportunidade de conversar a sós.

Vergonha é deixar que o outro desista, simplesmente por não ter coragem de assumir o que se conquista.

Não tenho vergonha de admitir que ainda gosto de você.

Bem como não tenho vergonha de admitir que desejo que chegue logo o dia em que não gostarei mais.

Então simplesmente seremos amigos…

Pois o que somos hoje ainda não descobri.

(:|:)

10 de novembro de 2009 Posted by | Conto de Fadas sem Fadas, Realidade, Romances | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.No.Reino.das.Alparcas.Sobressalentes.

((( em construção )))

2 de outubro de 2009 Posted by | Conto de Fadas sem Fadas, Família, Romances | Deixe um comentário

.No.Reino.das.Alparcas.Sobressalentes.

((( em construção))

28 de maio de 2009 Posted by | Conto de Fadas sem Fadas, Romances | Deixe um comentário

No.Reino.das.Alparcas.Sobressalentes.

Nomadéges era belo, elegante, descontraído. Tudo o que um príncipe herdeiro deveria ser. Mas ele só era príncipe e não herdeiro. Era o segundo dos 8 filhos do rei Hurpédio e da rainha Ságlora. Que majestavam com alegria o Reino das Alparcas Sobressalentes.

Estava ele certo dia sentado no jardim do palácio lendo um de seus livros preferidos, quando a carruagem do Conde Monthecí parou a uma certa distância. Nomadéges ficou observando com certa expectativa e com toda razão. Da carruagem desceu a linda filha do conde, a condessa Glérita, com um suntuoso vestido amarelo.

_Hei! Se é a mim que você procura, é aqui que eu estou!

Disse Nomadéges em alta voz. Glérita olhou para ele veio andando em sua direção. Nomadéges levantou-se e também foi ao encontro dela. Ao se aproximarem ele disse enquanto pegava sua mão:

_Você está cada vez mais linda!

Ela respondeu enquanto ele beijava as costas de sua mão com suavidade:

_E você está cada vez mais convencido!

Nomádeges levantou o rosto com um sorriso maroto.

_Quem disse que vim procurá-lo?

Ela disse e ele sorriu de novo:

_E não veio?

Dessa vez o risinho foi dela:

_Não. Vossa majestade, a rainha Ságlora, mandou me chamar.

Nomadéges franziu a testa curioso e Glérita logo emendou: _

Não sei o que ela quer. Então não me olhe assim. Só espero que você não tenha nada a ver com isso.

Ele fingiu ficar sério:

_Eu? E por que teria? Eu nada sei dos assuntos de minha mãe. Mas seja o que for que ela tenha para te dizer… você irá me contar, não é , Glérita?

Ela meio sem jeito tentou responder:

_Nomadéges, eu não sei  nem o que…

Nomadéges a interrompeu: _

_Ora vamos, Glérita! Eu sou seu melhor amigo. Não vai guardar segredos de mim não é?!

Glérita falou firme:

_Nomadéges! Como se atreve a me pedir isso? Se você quiser saber o que sua mãe tem para tratar comigo, pergunte você mesmo a ela!

Antes que ele pudesse dizer alguma coisa, ouviu sua  mãe gritar da escadaria do castelo:

_Glérita, querida! Estou aqui! Venha de pressa!

Glérita foi em sua direção e Nomadéges lhe perguntou:

_Não vai ao menos se despedir?

Glérita parou, olhou para trás, deu um suspiro de reprovação para Nomadéges e continuou a caminhar ao encontro da rainha.

A rainha tinha uma voz tão aguda que Nomadéges, mesmo distante a ouviu elogiar Glérita:

_Ah! Você está radiante neste vestido amarelo!

Nomadéges, que caminhava de volta para sua cadeira de leitura finamente almofada com seda indiana, balançou a cabeça enquanto sorria, pois concordava plenamente com o elogio de sua mãe.

Sentou-se novamente, mas já não conseguia mais ler. A imagem do belo rosto de Glérita não saia de sua mente. Ficou ali por um tempo a imaginar o que sua mãe queria com ela. Nisso, viu uma bela plebéia surgir pelo lado da entrada do vale dos girassóis em direção à entrada dos criados do castelo. Ela carregava uma cesta nos braços, e outra dependurada em seus ombros, ambas repletas de girassóis. Deveria ser uma nova criada, pois seu rosto não era conhecido para ele.

Depois de um longo tempo, viu ao longe Glérita descer as escadas acompanhada de sua mãe, a rainha,  que a abraçava e lhe falava alguma coisa discretamente. Ao pé da escada a rainha a abraçou e se despediu com um beijo na face. Enquanto sua mãe voltava para dentro do palácio, Nomadéges ascenou para Glérita. Séria, ela mau meneou a cabeça para ele e subiu na carruagem. Nomádeges não gostou nada daquilo tudo; e ficou muito incomodado.

 Seja como for, na hora do almoço, Nomadéges não achou que seria uma boa hora para comentar algo com sua mãe. A mesa de 54 lugares estava repleta de girassóis que alegravam o salão nobre reservado somente para as refeições da família real. Assim, Nomadéges deduziu que não seria um almoço qualquer.

Todos estavam reunidos. O bondoso rei Hurpédio, a sábia rainha Ságlora, seus oito filhos: Binzíntio, Nomadéges, Aiú, Glorítides, Slópatra, Sonífeu, Ogrípio e Helecíncia; e o sobrinho neto da rainha, Trolísdipo.

_Meus queridos filhos, filhas e sobrinho… Eu e meu querido esposo, encarando a realidade de que já não somos mais tão jovens e percebendo a necessidade de preparar  nosso trono para o novo rei, queremos anunciar o grande noivado de Binzíntio que  deverá acontecer dentro de 6 meses!

 Nomadéges, mesmo sem entender o porquê, não gostou nada da notícia. Ficou tão desconfortável que mau entendeu o que seu irmão disse ao se levantar. Alguma coisa com não estar afeiçoado. Somente percebeu que a rainha Ságlora, sorriu para seu irmão com ternura e disse sabiamente:

_Mas até lá, estarás meu filho. Estarás.

Binzínio tomou seu lugar, enquanto todos levantavam suas taças para brindar o pronunciamento de um acontecimento tão importante. Em silêncio Nomadéges se perguntava: “Estará o que? Afeiçoado? Mas por quem?!” Um frio lhe percorreu a espinha quando a imagem do lindo rosto da jovem Glérita lhe veio a mente mais uma vez.

(:|:)

22 de abril de 2009 Posted by | Conto de Fadas sem Fadas, Romances | , , , , , , , , | Deixe um comentário

No.Reino.das.Alparcas.Sobressalentes.

Binzíntio era meio desligado, desajeitado, tímido. Mas, um bom rapaz. Era o príncipe herdeiro. O mais velho de 8 filhos do rei Hurpédio e da rainha Ságlora. Que majestavam com alegria o Reino das Alparcas Sobressalentes.

Estava ele certa manhã , cavalgando pelo jardim do pálacio com seus nobres cavaleiros da corte real, quando avistou o vale dos girassóis. Ao longe percebeu  uma jovem que colhia as belas flores amarelas. Desceu de seu cavalo e pediu que os outros o esperassem ali.

Aproximou-se meio sem jeito:

_Lindas flores não é?!

Comentou  Binzítio meio sem graça:

_Sim, pena que não são minhas.

Intrigado com a resposta continuou o diálogo:

_Se não são suas, porque está colhendo?

A moça olhou para ele desacreditada:

_Oras, este é  o jardim do rei. Você acha que eu poderia ser dona de um lugar assim?! Só estou colhendo as flores para ajudar minha vó que trabalha no pálacio. As flores são para a rainha. Hoje está muito quente e não me pareceu bem, que minha avó, já com a idade que tem, viesse colher as flores. Então eu vim no lugar dela. Além de tudo, carregar girassóis em grande quantidade não é lá um servicinho qualquer.

O jovem príncipe confuso com a enchurrada de palavras, olhava a donzela com os olhos arregalados. Ela olhou para ele espantanda:

_E tu? Que estas a me olhar com essa cara de tolo?

Ele meio sem jeito respondeu:

_Errr…Eu? Hã… Eu só estava passando por aqui…e vi você… e… eu… é… bem… pensei se não gostaria de ajuda.

A moça começou a rir:

_Ora, ora! Eu lá sou de aceitar ajuda de estranhos? E também, já  terminei o serviço. Preciso ir logo para o pálacio. A rainha quer a flores para a hora do almoço. Com licença, e passar bem.

Binzíntio ficou ali parado  a  observar a jovem que se afastava. Foi quando se deu conta de que eles nem se quer haviam  se apresentado.  O mais curioso ainda, é que se ela trabalhava no palácio, onde ele morava, porque nunca  a tinha visto antes?

Seja como for, na hora do almoço, a mesa de 54 lugares, estava repleta de girassóis que alegravam o salão nobre reservado somente para as refeiçoes da família real.

Todos estavam reunidos. O bondoso rei Hurpédio, a sábia rainha Ságlora, seus oito filhos: Binzíntio, Nomadéges, Aiú, Glorítides, Slópatra, Sonífeu, Ogrípio e Helecíncia; e o sobrinho neto da rainha, Trolísdipo.

_Meus queridos filhos, filhas e sobrinho… Eu e meu querido esposo, estando todos reunidos, e encarando a realidade de que já não somos mais tão jovens e percebendo a necessidade de preparar  nosso trono para o novo rei, queremos anunciar o grande noivado de Binzíntio que  deverá acontecer dentro de 6 meses!

Quando todos iriam aplaudir festivamente, Binzíntio levantou-se meio contrariado:

_O que?!… Noivado?!… Mamãe… isso é… é impossivel! Eu nem se quer estou afeiçoado.

Rainha Ságlora, sorriu para o filho com ternura e disse sabiamente:

_Mas até lá, estarás meu filho. Estarás.

Sem reação o rapaz tomou seu lugar, enquanto todos levantavam suas taças para brindar o pronunciamento de um acontecimento tão importante.

(:|:)

7 de abril de 2009 Posted by | Conto de Fadas sem Fadas, Romances | , , , , , , , , | Deixe um comentário