JoAnInHaS falam no silêncioOoOo (:|:)

…e o que elas escrevem?!

.sms.

“Aqui na minha rede colorida, sol brilhante e céu azul… Pensando em tantas coisas, buscando me reorganizar, perseverar… Tentando saber o que sinto e decidir o que devo fazer com isso. Me perguntando também ‘será que te faço bem’? Como isso deve prosseguir? Que esperanças alimentar? Que sonhos constuir? Devo me permitir? E se…? Concluo algumas coisas, outras ficam indefinidas… Eu divagando, o céu ainda azul e você aqui em mim…”

(:|:)

Anúncios

12 de maio de 2012 Posted by | Cotidiano, DiVaGaÇõEs | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.a.velha.fofoqueira.

“O menino correu do outro lado da plataforma para cá. Eu bem vi. Ele queria alcançar a menina do outro lado. Mas acho que ela não deu muita bola pra ele, não; porque ele chamou por ela e ela deu uma olhadinha pra trás e só. Continuou a caminhar no mesmo ritmo. Ele teve que se apressar mais para alcançá-la. Acho que no fundo, no fundo, ela estava gostando daquela atenção. Isso foi ali. Eu bem vi.”

(:|:)

19 de janeiro de 2010 Posted by | Cotidiano | , , , , , , , | Deixe um comentário

.nada.mais.que.isto.

Não parava de chover naquele domingo. Era uma chuva silenciosa e teimosa. O céu cinzento. Tudo muito quieto. Nada como como ficar assitindo filmes, comendo  pipoca e chocolate e desfrutar da presença dos amigos. Era um daqueles dias em que ficar entocado dentro de casa com pessoas maravilhosas era suficiente, nada mais que isto.

Tácia abriu um pouco a janela para o ventinho frio entrar na sala. O céu ficou mais carregado e a chuva levemente mais grossa. Na televisão o triller de um filme de ação começava a passar e o microondas apitou avisando que a pipoca estava pronta.

Ela correu até a cozinha e despejou a pipoca numa bacia enorme. Pegou todos os chocolates que estavam na geladeira. Se aconchegou no sofá com aquele monte de almofadas em sua volta. Tudo estava perfeito demais naquele dia chuvoso.

Se não fosse o fato de ela não ter amigos, ela com certeza teria sorrido quando o filme começou.

(:|:)

11 de janeiro de 2010 Posted by | Cotidiano, DiVaGaÇõEs, Realidade | , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.feliz.natal.

***

_ Ele é assim. E é por isso que nós o amamos tanto. Ele sempre diz que a gente tem que levantar cedo pra resolver a vida, e todo dia as 5 da manhã ele levanta… Sem despertador, é claro. E eu espero que ele goste do meu presente, né? Mário, você é meu amigo secreto!

***

_ Querida, ainda tenho muitas coisas pra resolver aqui. Diz para as crianças abrirem os presentes sem mim… Eu sei, eu sei… Mas é por causa desse emprego que temos nossa casa nova, e a melhor escola para as crianças, e todos esses presentes… Por favor, meu amor, não vamos discutir agora. Em uma hora estarei em casa…Prometo. Te amo… Feliz Natal.

***

_ Posso te pagar uma bebida?

_ Por favor.

_ Uma jovem tão bela não deveria estar sozinha na noite de natal.

_ Este é o clube dos solitários, quem não tem ninguém vem pra cá enquanto os outros abrem presentes e sorriem felizes com suas famílias.

_ Percebeo uma mágoa aí.

_ Simplesmente não gosto de natais.

_ O que você não gosta é da solidão.

_ E você é meu anjo-da guarda que veio me salvar de mais um natal chato e deprimente.

_ Acho que não.

_ Oh! Mais uma frustração… Hahaha.

_ Então você realmente não tem ninguém na vida?

_ Não.

_ Tem certeza?

_ O marido da minha irmã a traiu há 3 anos atrás. Ele se arrependeu de verdade. Ela o perdoou.

_ E…?

_ E a mim também.

_ Uh!

_ Mas eu não me perdoei. E faz 3 anos que não falo com ela. É melhor pra todos.

_ Tenho certeza que ela está infeliz com isso.

_ Quem é você pra ter certeza sobre qulaquer coisa a respeito da minha vida? Aposto que você também tem alguém perdido por aí.

_ Tenho mesmo. Uma filha de 7 anos. Mas ela está bem feliz com seus milhares de presentes. O padrasto dela é muito rico.

_ E eu tenho certeza que o melhor presente pra ela seria uma ligação tua, um abraço teu.

_ Será que eu posso te dar um beijo?

_ Só se for agora.

***

_ Me passa o tomate.

_ E ele tá amassado?

_ Gente esse peru tá desmanchando… Muito bom!

_ Oh, não toma toda a coca.

_ Mas você já repetiu e eu não.

_ Calma! Tem mais lá no freezer gente!

_ Ai! Quemei minha boca!

_ Me dá o arroz.

_ Pessoal! Quero aproveitar pra dizer que estou muito feliz por todos estarem aqui. Eu agradeço a Deus por ter a oportunidade de ter meus 5 filhos e minha esposa querida sempre ao meu lado. Este é úm dia especial e fico muito contente por todos aqui. Feliz natal pra nós!

***

_ Por favô tio, me dá uma moedinha. Quero come alguma coisa hoji. É natal e eu queria levá umas bolachinha de natal pá minha mãe. Já tá  noitecendo e eu vô pá casa. Não vou gastá com coisa feia não, tio. Quero dá um presenti pá minha mãe. Só uma moedinha, tio, e eu já tô feliz… Não tem não, tio? Taum tá. Brigado mesmo assim,tio. Feliz natal po sinhô.

***

(:|:)

 

18 de dezembro de 2009 Posted by | Cotidiano, Realidade | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.discussões.

_ Tudo ainda é muito recente.

_ Eu sei, eu sei. Mas não temos o que esperar. Não há razão disso. Eu já sei bem o que quero.

_ De novo essa história? Você já percebeu que é sempre você que já sabe o que quer, que é sempre você que já está decidido, que é sempre a sua vontade?

_ Do que você tá falando? Eu tô pensando no melhor para nós. No que é mais conveniente.

_ Só se for no mais conveniente para você. Tudo é muito recente. Não vou me precipitar assim outra vez, Joel!

_ Não vai se precipitar? Você está fugindo da situação, isso sim. Só pra não tomar decisão alguma agora. Você está se esquivando. Dando mais uma de suas desculpinhas idiotas!

_ Como é que é? Você acha que eu tô fugindo de tomar uma decisão?

_ E não está?

_ Você decide tudo sozinho! Nunca pede uma opinião! Quando eu fico sabendo já tá tudo decidido por você! Sempre você e seu esgoísmo! Não vou mais falar sobre isso!

_ Vai fugir de novo e eu que sou egoísta?

_ Já chega, Joel!

_ Vai fugir como seu pai, não é?!

_ CALA BOCA!!! Meu pai não tem nada a ver com essa história! Que DROGA, Joel! Seu estúpido!

_ Pára de gritar. Você deve estar ficando louca mesmo!

_ Eu te ODEIO, Joel! Sabe por que tudo isso aconteceu? Porque você é um covarde! Um frouxo!

_ CALA BOCA, sua idiota!

_ Me esquece! Eu te ODEIO!

_ Volta aqui e me escuta! Isso não pode ficar assim!

_ …

_ VOLTA aqui e FALA comigo!!! Que DROGA!!!

(:|:)

6 de dezembro de 2009 Posted by | Cotidiano, Realidade | , , , , , , , , | Deixe um comentário

.plinc.plinc.plinc.

Plinc, plinc, plinc, faz a chuva sem parar.

Plinc, plinc, plinc, se chova lá fora aqui dentro vai molhar.

Plinc, plinc, plinc, no teto tem goteira.

Plinc, plinc, plinc, a parede vira cachoeira.

Plinc, plinc, plinc, eu não tenho guarda-chuva.

Plinc, plinc, plinc, só tenho bota e um par de luva.

Plinc, plinc, plinc, olha o raio e o trovão.

Plinc, plinc, plinc, eu não tenho medo não.

Plinc, plinc, plinc, faz a chuva no telhado.

Plinc, plinc, plinc, já estou todo molhado.

Plinc, plinc, plinc, o sol já vai voltar.

Plinc, plinc, plinc, é o som que vai ficar.

Plinc… Plinc… Plinc…

(:|:)

28 de novembro de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , , | Deixe um comentário

.mulheres.falam.demais.

Blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá…

(:|:)

12 de novembro de 2009 Posted by | Cotidiano, Obsessivos | , , , , | 1 Comentário

.bons.modos.

Obrigado.

Com licença.

Por favor.

De nada.

Bom dia.

Dispõe.

Pois não?

Como queira.

Por obséquio.

Não há de que.

(:|:)

11 de outubro de 2009 Posted by | Cotidiano | , , | Deixe um comentário

.eu.não.sei.

Augustus só queria se esquivar das obrigações de esclarecer a situação provocada por ele.

_Eu não sei.

Era tudo o que ele dizia para se explicar e se defender. Milena não se conformava com a atitude dele. Ninguém naquela situação iria aceitar, é claro, mas Milena tinha bons motivos para reminicar a todo instante.

Augustus e Milena iriam casar em 3 semanas e ele havia aceitado uma proposta de emprego que o obrigaria a se mudar para Espanha em 6 dias. A questão é que ele ainda queria casar com Milena e por isso ninguém entendia o motivo que o levara a aceitar o emprego sem nem falar com ela. Quando todos perguntavam a razão de tão descabida decisão ele respodia:

_Eu não sei.

E lá iam todos novamente discursar prolixamente nos ouvidos dele. Nisso Milena se retirava para  um conta e se colocava a chorar inconformada. Entre um argumento e outro surgia uma e outra pergunta dirigida a ele:

_Por que você aceitou sem nem falar com Milena?

_Por que você não esperou a data do casamento?

_Por que não apresentou uma contra proposta?

_Por que você não recusa  esse emprego?

_Por que não muda de idéia?

_Por que não se defente, não se explica? Por que não diz alguma coisa?

Não importava a pergunta. A resposta dele era sempre a mesma:

_Eu não sei, eu não sei!

Ninguém sabia explicar, nem Milena, nem o próprio Augustus. Se ele estava hipnotizado? Se estava bebâdo? Se estava agindo por ameaça? Se era só uma pegadinha para a noiva? Se tudo não passava de um mal entendido? Se no fundo ele não queria casar e estava dando seu jeito para acabar o noivado? Se ele estava sob efeito de remédios ou drogas? Se ele estava louco? Se ele era burro?

Bem… Aí, eu não sei!

(:|:)

7 de outubro de 2009 Posted by | Cotidiano, Geral | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.eu.gostaria.

Pai, Mãe e Edu,

eu gostaria que tudo fosse bem rápido. Nada com muito exagero, pompas ou nostalgias. Não quero decorações exageradas, nem aquelas  flores comuns nestas ocasiões.

Gostaria também que minha roupa fosse branca, do jeito que eu gosto e como tem que ser, um vestidinho bem leve com rendinhas, nada de muitos “frufrus”. No cabelo aquela borboletinha com pedrinhas brilhantes. Uma maquiagem bem suave. Não quero chamar atenção, mesmo sabendo que eu serei o centro das atenções.

Não quero aquele conglomerado de pessoas ao meu redor, que cada um tenha o seu lugar e permaneça lá. Eu gostaria que com certo pudor, tudo fosse bem organizado e premeditado, que seguisse um roteiro, que tivesse um protocolo.

Gostaria que cantassem uma música acompanhada de violino, sem muitas frescuras. Gostaria também que o ministrante fosse objetivo em suas palavras para não cansar os presentes e para que tudo termine o mais rápido possível.

Depois da cerimônia formal, gostaria que tudo seguisse normalmente conforme deve ser. O cortejo deve sair da igreja e se dirigir ao Jardim do Lago sem desviar a rota. Tudo sempre com muita discrição, nada de “exaltações”.

Gostaria que no Jardim do Lago, todos também ocupassem seu lugar e o mestre de cerimônia lesse o meu discurso que já está escrito e guardado no envelope azul na gaveta do escritório. Gostaria que ele lesse tudo até o fim e depois abrisse a oportunidade para algum parente ou amigo discursar, se alguém o quiser fazer, é claro. Tudo sempre sem escândalos.

Ao final gostaria que outra música fosse cantada ao som do violino enquanto meu caixão estiver sendo descido ao túmulo. Joguem flores se quiserem, mas gostaria que não houvesse nehum tipo de manifestação desesperada, nem lamúrias e soluços desconsolados.

Gostaria que em minha lápide estivesse o seguinte epitáfio: “Viveu, e como a todos sucede, morreu.” Nada de dizeres que causem comoção. Se palavras em vida não tiveram efeito para me curar, muito menos em morte me fariam voltar a viver. 

E por fim, gostaria de ser lembrada com serenidade, e que este rosto jovem que comigo irá para a sepultura, é que permaneça para sempre guardado na memória dos que ficarem e que alcançarem a desejada e temida velhice. Ah! Quem me dera conhecê-la!

Não são regras, leis, nem ordens. São apenas meus últimos desejos para minha cerimônia fúnebre. Não são obrigações, apenas coisas simples de que eu gostaria que acontecessem naquele dia que será triste para todos nós: o dia do ‘adeus’.

Ternamente,

Zuzi.

(:|:)

28 de setembro de 2009 Posted by | Cotidiano, Família, Realidade | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.para.aquela.martins.de.lima.

Já faz um tempinho. Estava sozinha andando na ruazinha. Bem distraída eu. Esbarrei num toco e caí com o nariz no chão. Ainda bem. Pois foi aí que vi, escondida e perdida atrás da árvore, uma dressi.

Foi a primeira vez que vi uma.

Ninguém sabia me dizer o que era aquela coisinha alaranjada. Era tão pequena. Mas me fez rir de cara.
Fiquei com ela, guardei-a no bolso para não perder.
É, na ruazinha que eu andava tinha muitas coisinhas assim: ‘surpriendorosas’.

E ainda mais distraída eu me perdi em algumas esquinas. Mas quem nunca se perdeu? Cansei da canseira e sentei de bobeira à beira do caminho. Daí ouvi um estralinho. Puts! Tinha esquecido da dressi dentro do bolso. Bem distraída eu.

Tirei-a de lá e fiquei tão surpresa. Eu não sabia que uma dressi crescia tão rápido assim. Mas aquela dressi alaranjada tinha dado uma boa espichada e eu nem sequer percebi. Dentro do bolso ela não podia ficar. Que graça tem encontrar uma rara dressi alaranjada e escondê-la num lugar qualquer?

E era tão óbvio. Qual é o lugar mais seguro para se guardar uma dressi alaranjada dificílima de se encontrar, que você não quer perder mas também não quer sufocar? Ah! Você não sabe o que é uma dressi alaranjada? Sinto muito! Só quem encontra uma sabe como é!

E eu, bem… Já faz 9 anos que eu tenho uma guardada no meu coração!

(:|:)

27 de agosto de 2009 Posted by | Cotidiano, Família, Fantasia, Realidade | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.a.ligação.

Já era hora de receber uma ligação do Carlos. Fazia uma semana que nós tínhamos almoçado juntos e nada. Então finalmente ele ligou. Mas sabe o que ele me disse? Você não vai acreditar! Porque eu também quase não acreditei. Ele ligou para perguntar se eu tinha o número da Ge. Acredita nisso? Ele quer sair com ela! Eu devia ter desconfiado… Ele perguntou tanto dela. Mas eu nem me liguei na hora. Ai, que raiva! E sabe o pior? Ele disse que se der tudo certo ele vai me agradecer pelo resto da vida, e eu serei a madrinha de casamento deles. Que rídiculo! Pára de rir porque não foi com você não, tá?!

(:|:)

21 de agosto de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , | Deixe um comentário

.confissões.

Bip!

_Hei, estou aqui.

Bip!

_Por que demorou?

Bip!

_Esse trânsito terrível…

Bip!

Mas estou aqui agora

Bip!

Isto é o mais importante.

Bip!

_Sim. Sim…é sim.

Bip!

Agora eu já posso ir…

Bip!

_Ir aonde hein?!

Bip!

_Ir em paz… morrer em paz.

Bip!

_Pára com isso bobinho.

Bip!

Você não vai morrer ainda não.

Bip!

_Mas antes… você…

Bip!

…Você precisa saber.

Bip!

_Pai, do que você tá falando?

Bip!

_Dói muito aqui na alma…

Bip!

_É melhor dormir um pouco agora.

Bip!

_Mas eu me arrependo tanto… tanto…

Bip!

_Do que está falando, pai?

Bip!

_Está na hora… não posso mais.

Bip!

Já não posso mais…

Bip!

…Suportar isso tudo.

Bip!

_Sss. É melhor ficar calado.

Bip!

_Não! Não posso mais.

Bip!

A verdade tem que…

Bip!

…Tem que ser dita.

Bip!

_Ssss. Por favor, papai…

Bip!

…descanse agora, sim?!

Bip!

_Não! Não há tempo. Não há.

Bip!

Tenho que falar agora.

Bip!

_Pai, por favor, se acalme.

Bip!

Descanse está bem?

Bip!

_Não! Já chegou minha hora.

Bip!

_Pare com isso, pai. Descanse agora.

Bip!

_Filha, ah! Filha minha!

Bip!

Perdão, minha filhinha!

Bip!

_Pai, não tem nada disso não.

Bip!

Não há nada pra perdoar, viu?

Bip!

Tá tudo bem, eu te amo, pai.

Bip!

_Não, filha! Não! A verdade…

Bip!

… A verdade, filha. Perdão, perdão…

Bip!

_Sim, eu perdoô o que for,pai.

Bip!

Agora se acalme, por favor!

Bip!

O senhor está alterado. Descanse.

Bip!

_Fui eu, filha… fui eu…

Bip!

_Pai, por favor! Relaxe!

Bip!

_…Eu…

Bip!

_Pai?

Bip!

_Eu…

Bip!

…matei…

Bip!

_Pai?

Bip!

_ …Sua…

Bip!

_Que?

Bip!

_…Mãe!

Bip!

_Que?!

Bip!

Bip!

Bip!

_Pai?

Bip! 

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Biiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiip!

(:|:)

20 de agosto de 2009 Posted by | Cotidiano, Família | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.tentativas.

Oi Viny! Tô escrevendo só pra te dizer que eu te amo!

Oi, tudo bem, Viny? Não sei se tu já notou, mas eu…eu…

Bom dia! Hoje eu acordei e percebi que não posso deixar passar mais este dia sem que tu saibas o que eu sinto…

Viny, tu sabe que eu gosto de ti?

Oi! Vou direto ao assunto tá? Olha já faz um tempo que eu tô sentindo algo diferente por ti… Sabe? Algo além da amizade… muito além disso na verdade. Pois é… tu nunca reparou né? Foi o que eu imaginei…

Hei Viny! Eu pensei se tu não gostaria de tomar um café comigo hoje. Lá pelas 4… ou melhor.. pelas 16:00 horas…

Oi! Como você tá? Eu tô querendo muito falar com você. Será que podemos marcar uma hora? Se eu não estiver me deixa um bilhete também…. ou me liga… 5554-9682…

Viny, estou apaixonada por ti… parece louco… mas…

Olá, Viny! Estou buscando várias formas pra dizer uma única verdade, a única verdade que sempre houve entre nós. EU TE AMO! Será que tu nunca vai perceber isto? Já faz tempo que tento te falar… Mas parece que tu não quer perceber, parece que tu prefere não saber o que eu sinto. Mas saber ou fingir não saber, não vai mudar o que já sinto há tanto tempo. Sei que tu não me ama. Sou apenas tua amiga. Só mais uma entre tantas. Mas eu te amo. E pra mim isto basta. Basta por nós dois. Não vem me dizer que não sentes o mesmo, porque isto eu já sei. Então me poupe de sofrer mais do que já sofro simplesmente por te amar… Ana Carolina.

Oi, Viny! Só tô deixando este bilhete pra te avisar que a planilha de julho já está pronta. Pega comigo depois do almoço. Bom dia! Ana.

(:|:)

9 de agosto de 2009 Posted by | Cotidiano, Romances | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.ser.adulto.

Sim! O menino não queria crescer. Ele não era Peter-Pan, nem pretendia ser. Ele só queria continuar sendo um menino. Pra sempre e por toda vida.

Mas, ele cresceu. Porque a vida é assim. E agora ele trabalha, paga as contas, vive estressado. Já faz muito tempo que ele não sabe o que é ser criança. Na verdade ele nem lembra que também já foi uma.

(:|:)

6 de agosto de 2009 Posted by | Cotidiano, Realidade | , , , , , | Deixe um comentário

.só.às.vezes.

Só às vezes te vejo. Te percebo.

Só às vezes te ouço. Te entendo.

Só às vezes sinto tua falta. Te quero.

Só às vezes tenho certeza de te amar. Então, me afasto.

(:|:)

20 de julho de 2009 Posted by | Cotidiano, Fantasia, Romances | , , , , , , , , | Deixe um comentário

.quando.eu.nasci.

Quando me aproximei entendi o que estava acontecendo. Na praça pública, cercada pela multidão apressada, a mulher gritava sentindo as contrações. Não haveria tempo pra mais nada. Me agachei para ajudá-la e ela entrou em trabalho de parto ali mesmo.

Ela estava assustada e eu mais ainda. Nunca fizera um parto naquelas condições. Tentei me acalmar e passar segurança para ela. Eu sabia o que devia fazer. Sabia como fazer. Mas estava atônito mesmo assim. Ela gritou novamente, dessa vez com mais intensidade. Havia terror em seus olhos.

Outra mulher se agachou perto de mim. Era enfermeira e iria ajudar. Fiquei mais aliviado. Tentei sorrir mas foi então que senti um mal estar. Minha cabeça começou a girar. Procurei me concentrar na mulher que gritava ainda mais. Contudo a dor na cabeça estava ficando cada vez mais aguda.

A mulher gritou em desespero. Gritei também. Eu estava morrendo. E no meu caso, ninguém poderia me socorrer naquele momento. A última coisa que vi antes de desmaiar foi a mulher gemendo e desmaiando de dor.

(:|:)

28 de junho de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.pés.suspensos.

_Menina, desce já daí!

Li desceu da árvore desajeitadamente e correu para dentro de casa. Entrou pela porta da cozinha e assentou-se à mesa. Leonor tirou o bolo de fubá do forno colocando-o sobre a mesa e olhou para ela.

_Pensa que não sei que você estava trepada naquela árvore?! Não disfarça menina!

Li olhou para a mãe com um semblante de culpa. Enrrugou um pouco a testa esperando a bronca que ouviria. A mãe, contudo, suavizou a expressão e as duas caíram na gargalhada. Leonor puxou uma cadeira e sentou próximo a filha.

_Ai Li! Só você mesmo para ter essas idéias. É perigoso você se pendurar lá no alto. Você tem somente 8 anos. E aquela árvore é alta demais. Não sei o que tanto você faz lá em cima.

Leonor cortou um pedaço do bolo que ainda fumegava. Colocou o pedaço em um pires e entregou para Li. Olhou nos oslhos da filha mais uma vez e continuou seu discurso de mãe protetora:

_Vamos fazer o seguinte. Você não se pendura mais no alto da árvore e eu lhe dou o brinquedo que você quiser. Que tal?

Li balançou a cabeça afirmativamente. Com um sorriso suave e um olhar peralta a menina disse:

_Eu quero um balanço. Um balanço bem no alto da árvore.

_Sua espertinha!

Mas, não teve jeito. Tarso, o pai da menina, providenciou o balanço. Ele ficou realmente alto. Li precisava ficar na ponta dos pés para conseguir subir nele. E pediu ao pai que conforme ela fosse crescende ele fosse subindo o balanço para que ela sempre tivesse que ficar na ponta dos pés para subir nele.

Coisa de menina. Coisa de criança. Talvez seu Tarso e dona Leonor nunca entenderiam a inteção da filha. Mas Li era assim. Sonhadora. Tudo o que ela queria era ficar com os pés suspensos para balança-los do alto. Pois assim tinha a impressão de estar mais perto do céu do que da terra. Tinha a sensação de estar voando.

Ela voaria se pudesse. Mas não podia. Então queria ficar sempre no lugar mais alto,  com os pés suspensos, com os cabelos dançando ao vento, e com os braços abertos.

E quando ela cresceu muita coisa mudou. Ela até se mudou da fazendo onde crescera. Mas nunca deixou de ser sonhadora. E de pensar que, um dia talvez, ela conseguiria voar. Então a primeira coisa que fazia quando ia a fazenda, era correr até o balanço. Ficar na ponta dos pés para subir nele era ainda uma delílica. Sorrindo, ela deixava o vento beijar sua face e afagar seus cabelos, abria os braços, e balançava os pés, que mesmo depois de adulta, ainda ficavam suspensos no vai e vem do balanço.

(:|:)

31 de maio de 2009 Posted by | Cotidiano, Família | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.café.da.tarde.

Primeiro, antes de tudo você prepara o pão. Você pega a nata pasteurizada. Se você é canhota como eu, você passa com  a mão esquerda para ficar bem espalhado o creme pausterizado, sem nenhum vestígio… E se você ainda nao estiver contenta, isso contenta,  você pode passar um doce de banana… Ok!  Você deixa o pão descansar enquanto você prepara o café especial. Você pega uma colher de café especial e três de açúcar, assim, coloca na xícara… E se você quer o café bem cremoso você coloca um pouquinho só de leite quente, de preferência, e então você bate… Bate, bate, Bate! Ele está marrom e ele vai ficar uma cor assim… meio amarelada. Olha! Você pode ver que ficou uma cor de… de… cocô de criança. HEHEHE! Ok! O pão descançou, você fez o creme do café, e agora você vai colocar o leite bem quente… Isso! Você pode ver que a fumaça é visível… Você mexe ao seu gosto e está pronto o café das três e meia da tarde em ponto. Isso… Daí você pode cortar o pão para não comer o pedaço inteiro porque é muito feio. Principalmente se voce é canhota, você pode cortar com a mão que você tem mais habilidade… Então, bom apatite para todos.

(:|:)

28 de maio de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.zzzzzzz.

Ele era um mosquitinho feliz.

Mas sua vida terminou quando um jornal veio de encontro ao seu nariz.

Nunca mais sorriu. E seu assassinato não foi noticiado nos jornais.

(:|:)

20 de maio de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.mata.o.rato.cristina.!.

_Olhe Cristina! Olhe bem ali debaixo… O que é aquilo?

_Não sei… Um rato?!

_AAAAAAAAAAAA!!!

_Sai de cima dessa cadeira, Paulina! Deixa de ser escandalosa!

_AAAAAAA!!! Um rato! Um rato! Mata ele Cristina! Mata ele!

_Ai solta meu braço! Eu não! Não vou matar o rato! Tá louca? Eu também tenho medo!

_Mas eu não tenho medo. Eu tenho pavor!!! AAAAAAA!!!! Ele se mexeu!!! Mata ele, pelo amor da minha vida, Cristina! Mata o rato!

_Pára de chorar Paulina! Não exagera! Credo! Deixa ele lá e pára de gritar, desse jeito você assuta ele. Desse da cadeira, tá parecendo uma maluca.

_Eu não saio daqui enquanto você não mata aquele rato! Cristina, ele vai atacar a gente! Por favor, mata o rato, Cristina! Mata o rato!

_Ai, Paulina!!! Me larga! Que droga! Você é muito sem noção hein? Eu não vou matar rato nehum! Se você quiser mata você, oras! Ou então fica aí nessa cadeira pra sempre. Eu tenho mais o que fazer!

_Cristina onde você vai? Volta aqui! Não me deixa aqui sozinha com esse rato!!! AAAAAAAAAAA!!! Ele se mexeu de novo!!! Cristina!!! Cristina!!! Volta aqui e mata o rato!!! Por favor, mata o rato… AAAAAAAAA!!! Cristina!!!

(:|:)

17 de maio de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , | Deixe um comentário

.e.agora.?.

_Então? Como foram as coisas?

_Tá russo o negócio!

_Como assim?

_Quero dizer que tá muito dificil! As coisas estão complicadas para nós!

_É?

_É!

_Hummm… e agora?

_Não sei… Não sei! Ai… acho que vamos ter que ir embora.

_Ir embora?!

_Eu também não queria isso. Mas… não vai ter jeito. No sul já temos algo garantido na olaria do Galdêncio. Ele mesmo disse, que se a gente precisasse…era só… bem é nossa  única saída agora.

_No sul?! Eu não gosto daquele lugar! Prefiro morar aqui!

_Eu também, eu também. Mas não podemos continuar esperando que algo aconteça do nada. Porque isso não nos levaria a lugar algum, aliás, nos trouxe a esta situação.

_Eu não quero ir!

_Você tem outra alternativa então? Alguma idéia diferente?

_Eu? Não.

_Pois então.

_Mas eu não posso ir embora. Não agora.

_Eu sei que você não gosta do sul, eu já sei disso. E não será por muito tempo. Aquele lugar também me intimida, mas…

_Não é só isso. É que…

_É o que então? Qual outra razão para você não querer voltar para o sul?

_É que…bem. Eu ia te falar outra hora. De outro jeito. Mas… já que é assim…

_O que é?

_Eu estou grávida…grávida.

_…!

_Eu queria te falar de outro jeito. Em outras circunstâncias. Só que… Estou de 14 semanas.

_…

_Você não vai falar nada?

_…

_Por favor! Diz alguma coisa…eu sei que você não esperava. Na verdade, nem eu, só que…

_Não esperava?! Eu não esperava?! Por favor!!! Você sabe o que essa gravidez significa?

_…

_Agora não podemos nem pensar em voltar para o sul. Se eles souberem disso….Ai! Eu não quero nem pensar no que pode acontecer… Como você pôde permitir que isso acontecesse?! Péssima hora para ter um filho!!!

_Eu sei! Eu sei que isso só torna as coisas mais dificéis…mas essa criança não tem culpa. A genter vai encontrar uma solução. Um jeito de resolver isso.

_Ah vai! Com certeza vai!

_Sinto muito.

_Sente muito? Deveria ter sentido antes.

_Desculpe.

_Agora sim o negócio tá russo!

(:|:)

11 de maio de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.vai.entender.né.?.

Como todo fim de semana, catei minhas coisas, e fui pra casa da minha namorada. Ela era linda, uma verdadeira patricinha cor-de-rosa engajada nas futilidades da moda. Eu era profundamente e cegamente apaixonado por ela. Mas só até aquele fim de semana.

A prima dela, recém formada em medicina, tinha vindo passar o fim de semana com ela para ajudar a cuidar da minha futura sogra, que ainda se recuperava de uma cirurgia de redução de seios. Essa prima da minha namorada era misteriosa. Tinha uma beleza séria e totalmente cativante. Era inteligente, prática, decidida. Tipo assim… ela tinha conteúdo! E que conteúdo! Aquilo assim que era mulher!

Felizmente, no mesmo fim de semana, minha namorada me procurou para terminar o namoro.

_Ai, meu coisito, eu preciso de um homem mais… mais… mais loiro ao meu lado. Nessa temporada os loiros estão em alta… Mas você não vai ficar na depre e nem vai tentar se matar né, meu coisito?! Até porque eu sempre vou lembrar de você com muito carinho e a gente pode continuar sendo amigos. E, olha só, você pode continuar a vir na minha casa sempre que quiser ta bem, meu coisito?!

E com essas palavras, ela terminou comigo.

Sem nada mais, ou ninguém mais, para me impedir fui logo falar com a prima dela. Claro que ela achou estranho, afinal eu era o recente ex da prima dela. Mas ela também estava interessada e marcamos para jantar. Eu fui bem cara de pau e já no primeiro encontro pedi ela em namoro. E não é que ela aceitou! Bem ligeira ela também, né?

Seis meses depois nos casamos e fomos morar na África do Sul e trabalhar numa Ong de auxílio à crianças africanas aidéticas. Isso já faz 13 anos. E, acreditem, somos muito felizes. Quanto a prima dela, ou minha ex-namorada, a úlitma vez que nós a vimos foi há 2 anos no enterro da mãe dela (nossa tia), que morreu durante uma cirurgia para colocar silicone. É isso mesmo! Vai entender né?

(:|:)

6 de maio de 2009 Posted by | Cotidiano, Romances | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.caminho.da.roça.

Lá no rancho ondi moro, no meu quirido sertão, tem um pasto, um casebre, uma vaca e um portão.

No pasto vive a vaca, no casabre vive eu; no portão entra e passa os peão amigo meu.

Di dia nois trabaia sem para pra discansar, e di noite tudo junto nois sentamo pra cantar.

Nossa vida é feita com isforço e suôr, purisso em cada coieta nois agradece o Bom Senhôr.

A vida lá na roça é dura e ardil, mas o sol é mais brilhanti e o céu é mais anil.

Prantamo todo dia e coiemo tambem, nossas prece com alegria termina sempre com amém.

Nada como a vida que si vive na lavoura, a recompensa é diária e as amizadi duradoura.

Vou parando por aqui di contar do meu sertão, falar dele me emociona no fundo do coração!

(:|:)

15 de abril de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , | Deixe um comentário

.querido.diário.virtual.

Hoje é um daqueles dias chuvosos e tristes. Meus preferidos. Perfeito para uma soneca depois do almoço. Mas a vida aqui no escritório é tão agitada, que não paro nem para o horário do almoço. Neste exato momento estou na sala de reuniões. Meu chefe é um dos sócios da empresa “Fhytress e Associados”. São quatro irmãos advogados, sócios, amigos e rivais também.  Meu chefe, o irmão mais velho e sócio majoritário, não costuma pegar nenhum caso, trabalha mais na área burocrática de administração da empresa matriz e suas filiais. Hoje, a pauta da reunião, trata da construção de um novo prédio para atender causas públicas, custeadas pelo governo. Estão aqui os quatro irmãos, cada um com sua secretária particular, 2 arquitetos, 3 engenheiros, 3 empreiteiros, 1 decoradora, os 3 contadores da empresa,  e um moço servindo o café. Sim, 21 pessoas nesta sala que está bem fria por sinal. E cada um de nós com uma opinião diferente, desempanhando pápeis diferentes, e , imagino eu, querendo estar em um lugar diferente com pessoas diferentes também. Essa reunião já dura 1 hora e meia. E está muito enfadonha.  Agora um dos contadores começou a falar sobre a disponibilidade financeira da empresa e sobre a verba que virá do governa para ajudar a custear a obra. O irmão mais novo do meu chefe fez cara feia. Acho que ele não gosta muito desse contador. O moço do café derramou açucar na roupa de um dos engenheiros, e discretamente está tentando limpar a bagunça. A decoradora já abriu a boca de sono umas 4 vezes. Coitada. Ela tem um bebê de 8 meses. Deve ter passado a noite em claro. Um dos engenheiros não pára de encarar a secretária de um dos irmãos do meu chefe. Parece que ela está gostando. Mas não é bom ela dar muita trela porque o homem é casado. O outro contador começou a falar também apontando uma outra proposta pra o melhor uso da verba governamental. Um dos arquitetos não pára de mexer no cabelo. Deve estar impaciente. Ele olha para o relógio toda hora. Um dos empreiteiros começou a espirrar. Deve ter ficado resfriado com esse friozinho que apareceu nos últimos dias. Ele está espirrando mesmo. Pediu licença e saiu da sala. Um dos irmãos do meu chefe fez uma pergunta, que eu não entendi muito bem,  para um dos outros dois contadores. Parece que ele não está concordando muito com a forma que o dinheiro será aplicado. O contador respondeu detalhadamente. E o moço do café, ainda meio desajeitado, está servindo um dos engenheiros, que prefere adoçante ao invés de açúcar. O irmão do meu chefe não gostou da resposta do contador. E  começou a contestá-lo. O outro contador entrou com outro argumento. Meu chefe concordou. Mas o irmão dele ainda não está satisfeito. O clima ficou meio tenso.  Ixi, a outra arquiteta começou a espirrar também. Uma das sercretárias alcançou um lenço de papel para ela. O outro irmão de meu chefe está tentando apaziguar as coisas. O irmão mais novo dele disse agora que também não está concordando. O empreiteiro voltou para a sala com a pontinha do nariz vermelho. Todos olharam para ele, inclusive eu. Meu chefe está dizendo que fará uma reunião somente com os 4 irmãos e os contadores para resolver isso. Menos mau, porque uma discussão agora seria muito frustrante, para nós é claro, que não vemos a hora de ir embora. De tanto bocejar, a decoradora contajiou uma das sercretárias e um dos empreiteiros que não param de bocejar agora também. Isso está mesmo um tédio. Parece que o relógio está andando para trás. Meu chefe ficou de pé. Finalmente, isso quer dizer que a reunião vai  terminar. Ele está discursando sobre as decisões que ainda preicsam ser tomadas. Acho que hoje vai dar tempo de ter um almoço decente. Meu chefe marcará uma outra reunião e mandará informar a todos. Perguntou se alguem tem mais alguma consideração a fazer. Ai tomara que não. Isso está mesmo muito chato. Todos ficaram em silêncio. O moço do café derrubou alguma coisa e fez um estardalhaço. Coitado, ficou vermelho e está pedindo desculpas. O irmão mais novo do meu chefe não gotou nada, como sempre. Uma das secretárias levantou para ajudá-lo. Meu chefe está agradecendo a presença de todos, mas antes de sairem pede para que escutem a leitura da ata da reunião que deveria ter sido redijida por mim. E agora?!  Eu fiquei aqui escrevendo no meu diário para me distrair e não escrevi ata nenhuma!!! Ele está me olhando com uma cara muito feia… Ai, ai, ai!!!

(:|:)

3 de abril de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , , , | Deixe um comentário

.guardachuva.sem.chuva.chuva.sem.guardachuva.

_Olha o guarda-chuva! Olha o guarda-chuva!

Gritava o menino na rua tentando vender guardar chuvas para garantir ao menos seu lanchinho da tarde.

_Eu não preciso disso moleque! Saia da minha frente!

Disse o empresário engravatado que passava apressado no meio da multidão.

O dia estava quente e abafado, a chuvarada no fim da tarde foi inevitável. O empresário no fim do expediente correu ao lugar onde o menino outrora tentara lhe vender um guarda-chuva.

Com o temporal, o menino vendera todo seu estoque, garantiu seu lanche e pode ir para casa mais cedo. E o empresário teve que  ir para casa ensopado com um resfriado garantido para o fim de semana.

(:|:)

29 de março de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , | Deixe um comentário