JoAnInHaS falam no silêncioOoOo (:|:)

…e o que elas escrevem?!

.sms.

“Aqui na minha rede colorida, sol brilhante e céu azul… Pensando em tantas coisas, buscando me reorganizar, perseverar… Tentando saber o que sinto e decidir o que devo fazer com isso. Me perguntando também ‘será que te faço bem’? Como isso deve prosseguir? Que esperanças alimentar? Que sonhos constuir? Devo me permitir? E se…? Concluo algumas coisas, outras ficam indefinidas… Eu divagando, o céu ainda azul e você aqui em mim…”

(:|:)

Anúncios

12 de maio de 2012 Posted by | Cotidiano, DiVaGaÇõEs | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.destinatários.

Araquari, 7 de março de 2006.

Querido Arthur,

me sinto culpada por tudo o que aconteceu, ou quase aconteceu, não sei direito. Primeiro porque propus em meu coração não beijar alguém sem ter um compromisso com essa pessoa. Propus que beijar alguém não seria um passatempo para mim. Segundo porque sei de suas fraquezas e deveria te ajudar a ficar longe disso e não fazer coisas que te façam voltar às velhas tentações.

Estou confusa e sei que você também está. Não quero te ferir, porque sei que você já foi muito magoado e sei que há coisas e sentimentos que pertubam e incomodam dentro  de você.

Estou confusa, mas sei bem o que quero e idealizo. Gosto do seu perfurme. Gosto quando você “adivinha” o que eu penso ou quero falar. Gosto quando estamos a sós e sua atenção é só para mim. Gosto muito quando você me abraça sem pressa; eu me sinto segura. Gosto quando você fala olhanedo nos meus olhos e às vezes para meus lábios. Gosto quando você tenta me beijar. Gosto sim! Não entendo muito disso, mas acho que são coisas que as mulheres gostam…

Você merece alguém que te abrace por completo e que te beije por inteiro… Não que eu não queira fazer isso, (na verdade eu ainda gostaria de te pegar no colo e te cobrir com ternura), mas eu não consigo. Não sou de “ficar”. Não sou garota de momentos. Não sou de dar beijinhos às escondidas. Não sei jogar esse jogo. Esse jogo de sedução. Esse jogo de conquista. Eu não sou disso… Eu não sei ser assim.

Como poderia te beijar e depois ter que ouvir você dizer: “Eu sou livre e desimpedido e elogio a garota que eu quiser, ou tento beijar quem eu quiser”? Como poderia me entregar a você depois não ter direitos sobre você? Eu ainda exijo exclusividade, Arthur. E você ainda não está pronto para me oferecer isso.

Por este movito, hoje, você não é o que eu quero nem o que idealizo. Pelo simples ou complexo  fato de você não querer ou não conseguir ser de uma somente, ou justamente por você ser de uma e de todas as outras que estiverem afim. Ah! Tenho vontade de bater em você! Você merece uma surra, isso sim!

Você diz que vai mudar, mas ainda não mudou. O que eu vejo hoje, é o que eu verei amanhã e depois e depois e depois… Não sei o que você precisa para muadr. Não sei o que te falta ou talvez o que te sobra. Só sei que não posso fazer planos com um Arthur assim: que é meu só pela metade; que se entrega só no momento; que deixa seus olhos se encherem com a beleza das outras também; que não se importa em dar uns beijos nas erradas enquanto não encontra a certa; que não tem medo de se envolver mas não quer assumir um compromisso; que não pensa no depois, nem na consequencia de um beijo. Não consigo fazer planos com um Arthur assim!

Porque um casamento não sobrevive só com beijos e noites de paixão. Precisa haver confiança e fidelidade total. Exclusividade completa. Entrega em todos os sentidos, desde às palavras, os olhares e às atitudes. Você ainda não está pronto para isso!

Ainda não estás pronto para saber que existem e sempre existirão mulheres atraentes à sua volta e para, mesmo assim, permitir que só uma preencha teu solhos e teu coração.

Arthur, quando você mudar isso e quando você estiver pronto para ofereer exclusividade à uma somente, então eu acho que também estaria pronta para te abraçar por completo e te beijar por inteiro.

Só sei que assim como está não é possível! Às escondidas não me traz satisfação, porque também não me daria o direito de exigir sua atenção em público e de dizer às outras que você é somente meu. Às escondidas não tenho direito algum.

Claro que quando você mudar, talvez eu não esteja mais “disponível”. Mas mesmo assim eu vou querer saber. Pois eu quero me alegrar ao saber de sua decisão de ser de uma apenas, com toda exclusividade. Não importa quem for ela. Se eu ou outra.

Quando eu disse que queria ficar com você, era verdade. Tentei, mas não consegui. Imagino que depois disso você, provavelmente, não vai tentar me beijar novamente. Mas, eu ainda quero, ou melhor, preciso da tua amizade. Preciso de você!

Vou tentar me contentar com seu beijos de amigo, de agora em diante. Acho que eles são suficientes para manutenção de uma amizade.

Desculpe por não ser mais clara e objetiva. Desculpe por não conseguir falar com toda facilidade que você faz, somos diferentes, né? E, desculpa, por ter que escrever tudo para não esquecer de nada.

Sei que você me entendeu, você é muito inteligente, Arthur! Desculpa por deixar você chegar tão perto dos meus lábios e por não conseguir retribuir esse carinho.

Desculpa por ser tão “certinha” ou “pura” como você disse uma vez. Desculpa por te deixar confuso e por te enrolar ou por me enrolar para dizer tudo isso.

E, antes de terminar, obrigada Arthur! Por ser meu amigo acima de tudo. Muito obrigada mesmo!

E, então?! Vamos ser amigos?!

Ternamente, Lola.

(:|:)

2 de fevereiro de 2010 Posted by | Romances | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.24.de.novembro.de.2008.

Sim, e daí?!

Não tenho vergonha de admitir que ainda gosto de você.

Vergonha é negar o que se sente e fingir ser indiferente.

Vergonha é esconder um sentimento que está vivo em cada momento.

Vergonha é ficar calado,  quando a tanto para ser falado.

Vergonha é fingir que não quer ver, quando é impossível não perceber.

Vergonha é calar a voz, quando se tem a oportunidade de conversar a sós.

Vergonha é deixar que o outro desista, simplesmente por não ter coragem de assumir o que se conquista.

Não tenho vergonha de admitir que ainda gosto de você.

Bem como não tenho vergonha de admitir que desejo que chegue logo o dia em que não gostarei mais.

Então simplesmente seremos amigos…

Pois o que somos hoje ainda não descobri.

(:|:)

10 de novembro de 2009 Posted by | Conto de Fadas sem Fadas, Realidade, Romances | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.eu.não.sei.

Augustus só queria se esquivar das obrigações de esclarecer a situação provocada por ele.

_Eu não sei.

Era tudo o que ele dizia para se explicar e se defender. Milena não se conformava com a atitude dele. Ninguém naquela situação iria aceitar, é claro, mas Milena tinha bons motivos para reminicar a todo instante.

Augustus e Milena iriam casar em 3 semanas e ele havia aceitado uma proposta de emprego que o obrigaria a se mudar para Espanha em 6 dias. A questão é que ele ainda queria casar com Milena e por isso ninguém entendia o motivo que o levara a aceitar o emprego sem nem falar com ela. Quando todos perguntavam a razão de tão descabida decisão ele respodia:

_Eu não sei.

E lá iam todos novamente discursar prolixamente nos ouvidos dele. Nisso Milena se retirava para  um conta e se colocava a chorar inconformada. Entre um argumento e outro surgia uma e outra pergunta dirigida a ele:

_Por que você aceitou sem nem falar com Milena?

_Por que você não esperou a data do casamento?

_Por que não apresentou uma contra proposta?

_Por que você não recusa  esse emprego?

_Por que não muda de idéia?

_Por que não se defente, não se explica? Por que não diz alguma coisa?

Não importava a pergunta. A resposta dele era sempre a mesma:

_Eu não sei, eu não sei!

Ninguém sabia explicar, nem Milena, nem o próprio Augustus. Se ele estava hipnotizado? Se estava bebâdo? Se estava agindo por ameaça? Se era só uma pegadinha para a noiva? Se tudo não passava de um mal entendido? Se no fundo ele não queria casar e estava dando seu jeito para acabar o noivado? Se ele estava sob efeito de remédios ou drogas? Se ele estava louco? Se ele era burro?

Bem… Aí, eu não sei!

(:|:)

7 de outubro de 2009 Posted by | Cotidiano, Geral | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.sim.ou.não.

_Sabe, já faz um tempo que eu tenho te notado.

_Como assim? Me notado?

_É. Te observado. Sabe… além da amizade.

_Ah.

_E tenho percebido tantas coisas. Eu… Eu acho que você é meu grande amor disfarçado de melhor amiga.

_Ah é? Uau.

_Andei pensando… E quem sabe você gostaria de ser minha namorada.

_Isso é um pedido de namoro?

_Errr… Você quer?

_ …

_Eu sei que te peguei desprevenida. Você nem esperava por isso, né?

_É.

_Sabe mas é simples: sim ou não.

_…

_E então? Você quer namorar comigo?

_…

_…

_Sim!

(:|:)

28 de setembro de 2009 Posted by | Romances | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.eu.gostaria.

Pai, Mãe e Edu,

eu gostaria que tudo fosse bem rápido. Nada com muito exagero, pompas ou nostalgias. Não quero decorações exageradas, nem aquelas  flores comuns nestas ocasiões.

Gostaria também que minha roupa fosse branca, do jeito que eu gosto e como tem que ser, um vestidinho bem leve com rendinhas, nada de muitos “frufrus”. No cabelo aquela borboletinha com pedrinhas brilhantes. Uma maquiagem bem suave. Não quero chamar atenção, mesmo sabendo que eu serei o centro das atenções.

Não quero aquele conglomerado de pessoas ao meu redor, que cada um tenha o seu lugar e permaneça lá. Eu gostaria que com certo pudor, tudo fosse bem organizado e premeditado, que seguisse um roteiro, que tivesse um protocolo.

Gostaria que cantassem uma música acompanhada de violino, sem muitas frescuras. Gostaria também que o ministrante fosse objetivo em suas palavras para não cansar os presentes e para que tudo termine o mais rápido possível.

Depois da cerimônia formal, gostaria que tudo seguisse normalmente conforme deve ser. O cortejo deve sair da igreja e se dirigir ao Jardim do Lago sem desviar a rota. Tudo sempre com muita discrição, nada de “exaltações”.

Gostaria que no Jardim do Lago, todos também ocupassem seu lugar e o mestre de cerimônia lesse o meu discurso que já está escrito e guardado no envelope azul na gaveta do escritório. Gostaria que ele lesse tudo até o fim e depois abrisse a oportunidade para algum parente ou amigo discursar, se alguém o quiser fazer, é claro. Tudo sempre sem escândalos.

Ao final gostaria que outra música fosse cantada ao som do violino enquanto meu caixão estiver sendo descido ao túmulo. Joguem flores se quiserem, mas gostaria que não houvesse nehum tipo de manifestação desesperada, nem lamúrias e soluços desconsolados.

Gostaria que em minha lápide estivesse o seguinte epitáfio: “Viveu, e como a todos sucede, morreu.” Nada de dizeres que causem comoção. Se palavras em vida não tiveram efeito para me curar, muito menos em morte me fariam voltar a viver. 

E por fim, gostaria de ser lembrada com serenidade, e que este rosto jovem que comigo irá para a sepultura, é que permaneça para sempre guardado na memória dos que ficarem e que alcançarem a desejada e temida velhice. Ah! Quem me dera conhecê-la!

Não são regras, leis, nem ordens. São apenas meus últimos desejos para minha cerimônia fúnebre. Não são obrigações, apenas coisas simples de que eu gostaria que acontecessem naquele dia que será triste para todos nós: o dia do ‘adeus’.

Ternamente,

Zuzi.

(:|:)

28 de setembro de 2009 Posted by | Cotidiano, Família, Realidade | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.primavera.

Quando eu abrir a janela, as nuvens escuras terão passado. A tempestade terá tido seu fim. A noite sombria será dia radiante.

Quando eu abrir a janela, terei vontade de sair para pessear. As roupas de luto darão lugar ao alegre vestido vermelho de renda. E o cabelo desgrenhado ganhará a forma de cachos soltos ao vento.

Quando eu abrir a janela, o vento frio terá cessado. As árvores estarão repletas de flores. Haverá novas cores e novos amores.

 Quando eu abrir a jenela, você vai acenar para mim do outro lado da rua e eu devolverei o sorriso. As lágrimas estarão só no passado e eu direi “sim” quando você me convidar para ir à praça.

Sim, abrirei a janela. Mas só quando for PriMaVeRa.

(:|:)

9 de setembro de 2009 Posted by | Fantasia | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.despedida.

Meu amor,

não pesso perdão. Você já sabia que eu me mataria no dia do meu aniversário. Eu sei que você pensou que estava brincando. Mas eu não estava. Sinto muito.

Tua.

(:|:)

5 de setembro de 2009 Posted by | Assassinatos, Família, Romances | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.devaneios.outra.vez.

Nesta manhã não há muita coisa que realmente importe para mim. Quando aquilo que acreditamos chega ao fim e percebemos que estávamos apoiados em ilusão, não há nada que te convença a comprar outra bicicleta. Nada muda fatos. Então apague a luz. Só os sonhos concedem aquilo qua a vida nos nega.

(:|:)

30 de agosto de 2009 Posted by | Geral | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.a.ligação.

Já era hora de receber uma ligação do Carlos. Fazia uma semana que nós tínhamos almoçado juntos e nada. Então finalmente ele ligou. Mas sabe o que ele me disse? Você não vai acreditar! Porque eu também quase não acreditei. Ele ligou para perguntar se eu tinha o número da Ge. Acredita nisso? Ele quer sair com ela! Eu devia ter desconfiado… Ele perguntou tanto dela. Mas eu nem me liguei na hora. Ai, que raiva! E sabe o pior? Ele disse que se der tudo certo ele vai me agradecer pelo resto da vida, e eu serei a madrinha de casamento deles. Que rídiculo! Pára de rir porque não foi com você não, tá?!

(:|:)

21 de agosto de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , | Deixe um comentário

.confissões.

Bip!

_Hei, estou aqui.

Bip!

_Por que demorou?

Bip!

_Esse trânsito terrível…

Bip!

Mas estou aqui agora

Bip!

Isto é o mais importante.

Bip!

_Sim. Sim…é sim.

Bip!

Agora eu já posso ir…

Bip!

_Ir aonde hein?!

Bip!

_Ir em paz… morrer em paz.

Bip!

_Pára com isso bobinho.

Bip!

Você não vai morrer ainda não.

Bip!

_Mas antes… você…

Bip!

…Você precisa saber.

Bip!

_Pai, do que você tá falando?

Bip!

_Dói muito aqui na alma…

Bip!

_É melhor dormir um pouco agora.

Bip!

_Mas eu me arrependo tanto… tanto…

Bip!

_Do que está falando, pai?

Bip!

_Está na hora… não posso mais.

Bip!

Já não posso mais…

Bip!

…Suportar isso tudo.

Bip!

_Sss. É melhor ficar calado.

Bip!

_Não! Não posso mais.

Bip!

A verdade tem que…

Bip!

…Tem que ser dita.

Bip!

_Ssss. Por favor, papai…

Bip!

…descanse agora, sim?!

Bip!

_Não! Não há tempo. Não há.

Bip!

Tenho que falar agora.

Bip!

_Pai, por favor, se acalme.

Bip!

Descanse está bem?

Bip!

_Não! Já chegou minha hora.

Bip!

_Pare com isso, pai. Descanse agora.

Bip!

_Filha, ah! Filha minha!

Bip!

Perdão, minha filhinha!

Bip!

_Pai, não tem nada disso não.

Bip!

Não há nada pra perdoar, viu?

Bip!

Tá tudo bem, eu te amo, pai.

Bip!

_Não, filha! Não! A verdade…

Bip!

… A verdade, filha. Perdão, perdão…

Bip!

_Sim, eu perdoô o que for,pai.

Bip!

Agora se acalme, por favor!

Bip!

O senhor está alterado. Descanse.

Bip!

_Fui eu, filha… fui eu…

Bip!

_Pai, por favor! Relaxe!

Bip!

_…Eu…

Bip!

_Pai?

Bip!

_Eu…

Bip!

…matei…

Bip!

_Pai?

Bip!

_ …Sua…

Bip!

_Que?

Bip!

_…Mãe!

Bip!

_Que?!

Bip!

Bip!

Bip!

_Pai?

Bip! 

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Biiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiip!

(:|:)

20 de agosto de 2009 Posted by | Cotidiano, Família | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.tentativas.

Oi Viny! Tô escrevendo só pra te dizer que eu te amo!

Oi, tudo bem, Viny? Não sei se tu já notou, mas eu…eu…

Bom dia! Hoje eu acordei e percebi que não posso deixar passar mais este dia sem que tu saibas o que eu sinto…

Viny, tu sabe que eu gosto de ti?

Oi! Vou direto ao assunto tá? Olha já faz um tempo que eu tô sentindo algo diferente por ti… Sabe? Algo além da amizade… muito além disso na verdade. Pois é… tu nunca reparou né? Foi o que eu imaginei…

Hei Viny! Eu pensei se tu não gostaria de tomar um café comigo hoje. Lá pelas 4… ou melhor.. pelas 16:00 horas…

Oi! Como você tá? Eu tô querendo muito falar com você. Será que podemos marcar uma hora? Se eu não estiver me deixa um bilhete também…. ou me liga… 5554-9682…

Viny, estou apaixonada por ti… parece louco… mas…

Olá, Viny! Estou buscando várias formas pra dizer uma única verdade, a única verdade que sempre houve entre nós. EU TE AMO! Será que tu nunca vai perceber isto? Já faz tempo que tento te falar… Mas parece que tu não quer perceber, parece que tu prefere não saber o que eu sinto. Mas saber ou fingir não saber, não vai mudar o que já sinto há tanto tempo. Sei que tu não me ama. Sou apenas tua amiga. Só mais uma entre tantas. Mas eu te amo. E pra mim isto basta. Basta por nós dois. Não vem me dizer que não sentes o mesmo, porque isto eu já sei. Então me poupe de sofrer mais do que já sofro simplesmente por te amar… Ana Carolina.

Oi, Viny! Só tô deixando este bilhete pra te avisar que a planilha de julho já está pronta. Pega comigo depois do almoço. Bom dia! Ana.

(:|:)

9 de agosto de 2009 Posted by | Cotidiano, Romances | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.vestido.verde.

_Mãe, eu quero este aqui tá?

_Esse com o babadinho na gola?

_Aham! Mas ó… tá vendo? Quero nesse tom de verde tá?

_Tá bem. Pode deixar, Pietra. Eu já entendi minha filha.

_Ai mãezinha! Obrigada!

Pietra saiu pela porta do quartinho de costura da mãe, com um sorriso cortando o rosto. Que orgulho ela dava a sua mãe. Aquele era o ano da “Grande Crise Mundial”, e com muito esforço, em 12 dias, Pietra se formaria. Ela seria veterinária. Com certeza aquele seria o vestido mais bonito que dona Garibaldi faria em toda sua vida. Portanto Pietra precisava de um sapato digno de tal modelito. A tarde seria longa andando pelas ruas para encontrar o tal sapato, mas ela persisitia toda vez que lembrava que sua mãe estava em casa se empenhando em seu vestido.

***

_Alô?

_Garibaldi Rolandini, por favor?

_É ela mesma.

_A senhora conhece Pietra Rolandini Vidal?

_Sim. é minha filha.

_Eu sou Vitória Dorácio, enfermeira chefe do Hospital Regional Alcântara Vila Grande.

_Ai…o que aconteceu?

_Peço que a senhora fique calma. Sua filha foi atropelada e encaminhada para nosso pronto socorro. Então se a senhora puder venha imediatamente.

_Mas como ela está? Ela está bem não é?

_A situação dela é estável. Mas é melhor a senhora vir e pessoalmente vou explicar melhor tudo o que aconteceu.

_Está bem, está bem. Já estou indo para aí. 

Quando dona Garibaldi chegou no Hospital e conversou pessoalmente com a enfermeira Vitória, entedeu que “estável” foi uma forma suave para dizer que sua filha estava em coma e estava na UTI. O caso era muito grave. Pietra sofrera traumatismo crâniano, juntamente com uma lesão na cabeça que causou um corte da testa, até a nuca pelo lado direito da cabeça. Mesmo se saísse do coma, nunca mais poderia andar. Sua coluna quebrara em 7 lugares diferentes, um caso irreversível. Sem contar que as duas pernas estavam fraturadas, e o pé esquerdo foi dilacerado de tal forma, que seria necessário amputá-lo imediatamente.

Agora a história não era mais de uma moça feliz prestes a realizar um sonho, mas sim, de uma mãe angustiada prestes a perder a filha, a única filha. Tudo o que ela tinha. Sua única família. Garibaldi repassou os últimos instantes daquela tarde em que esteve com sua filha. Pietra toda sorrisos escolhendo seu vestido de formatura. O que fazer agora? O que esperar disso tudo? Sentada na sala de espera, Garibaldi chorou em silêncio.

***

Quatro anos se passara desde a “Grande Crise Mundial”, mas  o vestido verde cobreado com o babadinho na gola ainda estava perfeito. Clarice olhou e de cara gostou dele. Entrou na lojinha da esquina. Era pequena e meio escura. Passava um ar triste, mas o vestido na vitrine era perfeito. O que ela vinha procurando há semanas.

_Oi. Eu queria provar o vestido da vitrine.

_Ah, sinto muito aquele não está a venda. É só uma amostra para enfeitar a vitrine.

_Ah! Que pena. Eu gostei tanto dele. Será que não tem jeito da senhora vender ele pra mim?

_Ele é da minha filha. Ela vai ser veterinária. Daqui há 12 dias.

_Poxa que pena pra mim e que ótimo pra ela. É um vestido belíssimo.

_Não foi fácil pra ela sabe? Conseguir se formar no ano da Grande Crise Mundial a faz digna do melhor vestido que eu poderia fazer.

_É, pode ser, mas… não estamos no ano da Grande Crise Mundial. Isso foi há 4 anos, minha senhora.

_Não! Eu digo que não! Estamos no ano da Grande Crise Mundial, sim! Minha filha foi comprar um sapato lindo para usar com aquele vestido, porque daqui há 12 dias ela será uma veterinária!!!

_A senhora deve estar louca!

_Saia daqui! Você não entende nada de crises globais! Não entende nada de sapatos, vestidos, formaturas e filhos! Você não sabe de nada!!! Sua insolente!!! Saia daqui!!!

_Sua maluca!

Clarice saiu da loja apressada e assutada. Só queria comprar um vestido afinal. Não conseguia entender a atitude daquela mulher, e depois de passado o nervosismo e a raiva só pode sentir pena da pobre coitada.

***

O vestido verde continuou na vitrine por muito tempo. Sempre à mostra para alguém querer comprá-lo sem conseguir, é claro. Pois dona Garibaldi, mesmo depois de 26 anos da morte de Pietra, explicava que o vestido era de sua filha que iria se formar dali há 12 dias.

(:|:)

16 de maio de 2009 Posted by | Família, Obsessivos, Psicóticos | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.e.agora.?.

_Então? Como foram as coisas?

_Tá russo o negócio!

_Como assim?

_Quero dizer que tá muito dificil! As coisas estão complicadas para nós!

_É?

_É!

_Hummm… e agora?

_Não sei… Não sei! Ai… acho que vamos ter que ir embora.

_Ir embora?!

_Eu também não queria isso. Mas… não vai ter jeito. No sul já temos algo garantido na olaria do Galdêncio. Ele mesmo disse, que se a gente precisasse…era só… bem é nossa  única saída agora.

_No sul?! Eu não gosto daquele lugar! Prefiro morar aqui!

_Eu também, eu também. Mas não podemos continuar esperando que algo aconteça do nada. Porque isso não nos levaria a lugar algum, aliás, nos trouxe a esta situação.

_Eu não quero ir!

_Você tem outra alternativa então? Alguma idéia diferente?

_Eu? Não.

_Pois então.

_Mas eu não posso ir embora. Não agora.

_Eu sei que você não gosta do sul, eu já sei disso. E não será por muito tempo. Aquele lugar também me intimida, mas…

_Não é só isso. É que…

_É o que então? Qual outra razão para você não querer voltar para o sul?

_É que…bem. Eu ia te falar outra hora. De outro jeito. Mas… já que é assim…

_O que é?

_Eu estou grávida…grávida.

_…!

_Eu queria te falar de outro jeito. Em outras circunstâncias. Só que… Estou de 14 semanas.

_…

_Você não vai falar nada?

_…

_Por favor! Diz alguma coisa…eu sei que você não esperava. Na verdade, nem eu, só que…

_Não esperava?! Eu não esperava?! Por favor!!! Você sabe o que essa gravidez significa?

_…

_Agora não podemos nem pensar em voltar para o sul. Se eles souberem disso….Ai! Eu não quero nem pensar no que pode acontecer… Como você pôde permitir que isso acontecesse?! Péssima hora para ter um filho!!!

_Eu sei! Eu sei que isso só torna as coisas mais dificéis…mas essa criança não tem culpa. A genter vai encontrar uma solução. Um jeito de resolver isso.

_Ah vai! Com certeza vai!

_Sinto muito.

_Sente muito? Deveria ter sentido antes.

_Desculpe.

_Agora sim o negócio tá russo!

(:|:)

11 de maio de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.desabafo.de.um.viciado.em.escrever.cartas.

São Paulo, 22 de dezembro de 2003

Existem cartas que chegam atrasadas. E contam coisas que sabemos e novidades que já são velhas. Não tem como entender o porquê disso, mas o fato é que isso tem acontecido. Não há um motivo aparentemente justificável, há a certeza, porém, de que os Correios tem fucnionado com muita eficiência, eliminando então a possivel causa do problema.

O mais provável e cabível, é que essas cartas sejam escritas e eesquecidas em gavetas e, é claro, encontradas um bom tempo depois e – o mais ridículo disso tudo – “enviadas com sucesso”! Não há como fugir dessa realidade. Quem nunca recebeu uma carta atrasada, ou, quem nunca enviou uma?

As cartas atrasadas existem, não podemos fugir delas, é um ciclo que não termina: uma carta atrasada recebida, é uma carta atrasada enviada, e assim sucessivamente. O ciclo não se fecha, a menos que essas cartas deixem de ser enviadas, deixem de ser escritas, deixem de existir.

Vamos nos unir e eliminar as cartas atrasadas, elas têm feito com que as boas notícias tornem-se velhas, e a surpresa do próximo dia, torne-se o esquecimento da semana passada. Isso é estarrecedor. Não podemos mais continuar a aceitar essa situação com um sorriso nos lábios ao vermos a caixinha do correio repleta de velhas noticias e cartas atrasadas.

Precisamos acabar de uma vez com isso! Não vamos calar diante desse problema! Protestemos pois, reinvidiquemos por cartas mais justas. Por noticias que cheguem à tempo e por cartas em dia. Só assim conseguiremos um mundo melhor e mais honesto.

Por isso, não aceite mais receber cartas atrasadas, diga “não” a essa ultrajante humilhação. E, por favor, não se exponha ao rídiculo mandando uma carta atrasada à um amigo que te quer bem!

Tenho dito!

(:|:)

4 de abril de 2009 Posted by | Geral | , , , , , , | Deixe um comentário