JoAnInHaS falam no silêncioOoOo (:|:)

…e o que elas escrevem?!

.farol.

Tuas luzes se apagaram quando eu mais precisei.

Fiquei sem rumo. Bati na rocha. Me machuquei.

Era noite. Não tinha a luz do sol.

Só podia me guiar pela luz do farol.

Mas tuas luzes se apagaram… quando eu mais… precisei.

 

(:|:)

 

17 de janeiro de 2012 Posted by | DiVaGaÇõEs | , , , , , , , | Deixe um comentário

.feliz.natal.

***

_ Ele é assim. E é por isso que nós o amamos tanto. Ele sempre diz que a gente tem que levantar cedo pra resolver a vida, e todo dia as 5 da manhã ele levanta… Sem despertador, é claro. E eu espero que ele goste do meu presente, né? Mário, você é meu amigo secreto!

***

_ Querida, ainda tenho muitas coisas pra resolver aqui. Diz para as crianças abrirem os presentes sem mim… Eu sei, eu sei… Mas é por causa desse emprego que temos nossa casa nova, e a melhor escola para as crianças, e todos esses presentes… Por favor, meu amor, não vamos discutir agora. Em uma hora estarei em casa…Prometo. Te amo… Feliz Natal.

***

_ Posso te pagar uma bebida?

_ Por favor.

_ Uma jovem tão bela não deveria estar sozinha na noite de natal.

_ Este é o clube dos solitários, quem não tem ninguém vem pra cá enquanto os outros abrem presentes e sorriem felizes com suas famílias.

_ Percebeo uma mágoa aí.

_ Simplesmente não gosto de natais.

_ O que você não gosta é da solidão.

_ E você é meu anjo-da guarda que veio me salvar de mais um natal chato e deprimente.

_ Acho que não.

_ Oh! Mais uma frustração… Hahaha.

_ Então você realmente não tem ninguém na vida?

_ Não.

_ Tem certeza?

_ O marido da minha irmã a traiu há 3 anos atrás. Ele se arrependeu de verdade. Ela o perdoou.

_ E…?

_ E a mim também.

_ Uh!

_ Mas eu não me perdoei. E faz 3 anos que não falo com ela. É melhor pra todos.

_ Tenho certeza que ela está infeliz com isso.

_ Quem é você pra ter certeza sobre qulaquer coisa a respeito da minha vida? Aposto que você também tem alguém perdido por aí.

_ Tenho mesmo. Uma filha de 7 anos. Mas ela está bem feliz com seus milhares de presentes. O padrasto dela é muito rico.

_ E eu tenho certeza que o melhor presente pra ela seria uma ligação tua, um abraço teu.

_ Será que eu posso te dar um beijo?

_ Só se for agora.

***

_ Me passa o tomate.

_ E ele tá amassado?

_ Gente esse peru tá desmanchando… Muito bom!

_ Oh, não toma toda a coca.

_ Mas você já repetiu e eu não.

_ Calma! Tem mais lá no freezer gente!

_ Ai! Quemei minha boca!

_ Me dá o arroz.

_ Pessoal! Quero aproveitar pra dizer que estou muito feliz por todos estarem aqui. Eu agradeço a Deus por ter a oportunidade de ter meus 5 filhos e minha esposa querida sempre ao meu lado. Este é úm dia especial e fico muito contente por todos aqui. Feliz natal pra nós!

***

_ Por favô tio, me dá uma moedinha. Quero come alguma coisa hoji. É natal e eu queria levá umas bolachinha de natal pá minha mãe. Já tá  noitecendo e eu vô pá casa. Não vou gastá com coisa feia não, tio. Quero dá um presenti pá minha mãe. Só uma moedinha, tio, e eu já tô feliz… Não tem não, tio? Taum tá. Brigado mesmo assim,tio. Feliz natal po sinhô.

***

(:|:)

 

18 de dezembro de 2009 Posted by | Cotidiano, Realidade | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.primavera.

Quando eu abrir a janela, as nuvens escuras terão passado. A tempestade terá tido seu fim. A noite sombria será dia radiante.

Quando eu abrir a janela, terei vontade de sair para pessear. As roupas de luto darão lugar ao alegre vestido vermelho de renda. E o cabelo desgrenhado ganhará a forma de cachos soltos ao vento.

Quando eu abrir a janela, o vento frio terá cessado. As árvores estarão repletas de flores. Haverá novas cores e novos amores.

 Quando eu abrir a jenela, você vai acenar para mim do outro lado da rua e eu devolverei o sorriso. As lágrimas estarão só no passado e eu direi “sim” quando você me convidar para ir à praça.

Sim, abrirei a janela. Mas só quando for PriMaVeRa.

(:|:)

9 de setembro de 2009 Posted by | Fantasia | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.devaneios.outra.vez.

Nesta manhã não há muita coisa que realmente importe para mim. Quando aquilo que acreditamos chega ao fim e percebemos que estávamos apoiados em ilusão, não há nada que te convença a comprar outra bicicleta. Nada muda fatos. Então apague a luz. Só os sonhos concedem aquilo qua a vida nos nega.

(:|:)

30 de agosto de 2009 Posted by | Geral | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.confissões.

Bip!

_Hei, estou aqui.

Bip!

_Por que demorou?

Bip!

_Esse trânsito terrível…

Bip!

Mas estou aqui agora

Bip!

Isto é o mais importante.

Bip!

_Sim. Sim…é sim.

Bip!

Agora eu já posso ir…

Bip!

_Ir aonde hein?!

Bip!

_Ir em paz… morrer em paz.

Bip!

_Pára com isso bobinho.

Bip!

Você não vai morrer ainda não.

Bip!

_Mas antes… você…

Bip!

…Você precisa saber.

Bip!

_Pai, do que você tá falando?

Bip!

_Dói muito aqui na alma…

Bip!

_É melhor dormir um pouco agora.

Bip!

_Mas eu me arrependo tanto… tanto…

Bip!

_Do que está falando, pai?

Bip!

_Está na hora… não posso mais.

Bip!

Já não posso mais…

Bip!

…Suportar isso tudo.

Bip!

_Sss. É melhor ficar calado.

Bip!

_Não! Não posso mais.

Bip!

A verdade tem que…

Bip!

…Tem que ser dita.

Bip!

_Ssss. Por favor, papai…

Bip!

…descanse agora, sim?!

Bip!

_Não! Não há tempo. Não há.

Bip!

Tenho que falar agora.

Bip!

_Pai, por favor, se acalme.

Bip!

Descanse está bem?

Bip!

_Não! Já chegou minha hora.

Bip!

_Pare com isso, pai. Descanse agora.

Bip!

_Filha, ah! Filha minha!

Bip!

Perdão, minha filhinha!

Bip!

_Pai, não tem nada disso não.

Bip!

Não há nada pra perdoar, viu?

Bip!

Tá tudo bem, eu te amo, pai.

Bip!

_Não, filha! Não! A verdade…

Bip!

… A verdade, filha. Perdão, perdão…

Bip!

_Sim, eu perdoô o que for,pai.

Bip!

Agora se acalme, por favor!

Bip!

O senhor está alterado. Descanse.

Bip!

_Fui eu, filha… fui eu…

Bip!

_Pai, por favor! Relaxe!

Bip!

_…Eu…

Bip!

_Pai?

Bip!

_Eu…

Bip!

…matei…

Bip!

_Pai?

Bip!

_ …Sua…

Bip!

_Que?

Bip!

_…Mãe!

Bip!

_Que?!

Bip!

Bip!

Bip!

_Pai?

Bip! 

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Bip!

Biiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiip!

(:|:)

20 de agosto de 2009 Posted by | Cotidiano, Família | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.na.calada.da.noite.

Quando a menina desligou a televisão todos já estavam dormindo. Ela perambulou pela casa escura ainda insone. Desceu as escadas e sentiu um friozinho pelo corpo. Lá fora ventava muito e tudo parecia mais silencioso que o normal.

Foi até a cozinha e abriu a geladeira. Nada parecia lhe agradar. Foi então que ouviu um ruído vindo da sala. Andou devagar e silenciosamente pela porta lateral.

_Tem alguém aí? … Pai? … Lucy? … Erik? … Quem tá aí?

Ninguém respondeu. Achou que devia ser coisa de sua cabeça. Mas quando virou-se para voltar à cozinha viu um vulto passando pelo outro lado da escada indo direto para a porta do porão.

_Hei! Eu te vi! Pode aparecer! Quem é você? O que você quer aqui?

Mesmo com medo ela foi cautalesomente em direçao à escada. Tudo parecia arrepiante e meio fora da realidade. Ela pensou estar sonhando. Ficou  meio confusa. Chegou em frente à porta do porão. Estava entreaberta. O que fazer? Deveria entrar? Quem estaria lá? Seria seguro ou perigoso? Deveria chamar alguém ou entrar ali sozinha?

Abriu a porta devagar. A luz do porão não ascendeu. Achou estranho. Desceu as escadas com cuidado. Sentiu que havia mais alguém ali. O ar estava diferente. Foi aí que se arrependeu do que estava fazendo. Mas já era tarde demais. A porta se fechou e ela  sentiu mãos quentes a segurá-la. Tentou gritar mas não conseguiu.

Depois disto, 5 anos se passaram e ninguém nunca mais a viu. Como eu sei disso? Bem, se eu te contasse você também desapareceria na calada da noite.

(:|:)

13 de julho de 2009 Posted by | Fantasia, Psicóticos | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.psicose.paranóica.induzida.

PARTE IV

Telemarketing. Um serviço cansativo. Uma forma de ser chingada por desconhecidos sem o risco de esganá-los. Trabalho repetitivo e entediante. Fazer a ligação , oferecer o produto, se do outro lado  o cliente faz a compra então  a ligação era encaminhada para o ramal 8, se o cliente não queria comprar então para o ramal 6, se o cliente queria agendar a compra então ramal 7, se o cliente reclamava a chateação então você sorria e dizia que ele estava certo. Não podia ser pior. Mas era. O dia de fazer ouvidoria era o pior. Toda quinta-feira era preciso ligar para os clientes que já haviam efetuado compra para fazer uma pesquisa de satisfatoriedade.

_Não senhor. Eu não quero vender outro dispositivo de alarme. Eu quero somente saber se o senhor está satisfeito com a compra.

_Que compra? Eu não quero comprar nada.

_Eu sei… Consta no nosso cadastro que o senhor fez uma compra de dois dispositivos de alarme, no mês de outubro, estou certa senhor?

_Sim, sim, é.

_Então, eu gostaria de saber se o senhor está satisfeito com sua compra.

_Que compra?

_Ai… Com a compra dos dispositivos de alarme.

_Ah! Aqueles que eu comprei em outubro?

_Isso mesmo senhor.

_Ah sim eu comprei dois dispositivos de alarme em outubro.

_Certo.

_E o que mesmo você quer saber?

_Gostariamos de saber se o senhor está satisfeito com essa compra.

_Ah, sim! Satisfeito, sim.

_Então o senhor poderia responder nossa pesquisa?

_Pesquisa de que?

_Uma pesquisa sobre os dispositivos. Eu vou falar as funções e o senhor vai avaliar de 1 à 10. Então 1 se for muito ruim, até o 10 se for excelente. Tudo bem?

_Sim estou bem, só com uma dor na costas.

_Err… Pois é, eu quero saber se posso fazer a pesquisa, se o senhor entendeu como funciona?

_Ah sim! Pesquisa é sobre o que mesmo?

_Sobre os dois dispositivos de alarme que o senhor comprou em outubro.

_Ah sim! Estou satisfeito, satisfeito. Pode fazer a pesquisa.

_Como o senhor avalia as opções de pagamento do produto?

_É…bom.

_O senhor tem que dizer um numéro de  1 à 10.

_Ah sim! É… 9.

_Como o senhor avalia a funcionalidade do produto?

_Como é? Funci o que?

_Funcionalidade. Se os dispositivos que o senhor comprou funcionam bem.

_Ah sim! Bem, eu não sei.

_O senhor não sabe se funcionam bem?

_Não.

_Por que?

_Porque eu ainda não usei os dispositivos.

_Ai, ai!

Não era possível continuar a pesquisa se o produto ainda não havia sido utilizado. Tudo aquilo parecia mais um de seus pesadelos. Aquela rotina desgraçada a fazia se sentir cada vez mais alienada de sua própria vida, talvez até de sua própria existência.

O relógio marcou 19:00 horas. Fim de expediente. Ajuntou suas coisas o mais rápido que pôde. Mas o chato de seu patrão a alcançou no elevador. Veio se esfregando para perto dela.

_Está fugindo de mim, bonequinha?

_Eu não sou bonequinha. Sou sua funcionária.

_A hora de trabalho já acabou, bonequinha. Agora eu não sou seu patrão. Sou um apaixonado por você. Sabe que você pode ser promovida se ceder aos meus desejos, bonequinha.

Falou o grandão barrigudo apertando-a contra a pareda do elevador. A porta abriu finalmente e ela o empurrou enquanto dizia:

_Eu não quero ser promovida!

E saiu apressadamente enquanto ele dava uma boa garagalhada dela. “Que nojo!” Ela pensava enquanto saia do prédio. Queria pegar um táxi, mas nenhum apareceu. Andou rápido pelas quadras solitárias da cidade até o metrô. Quanto mais se apressava, parecia que mais longe a estação ficava. Achou que alguém a seguia. Não teve coragem de olhar para trás. Só conseguiu correr. Correu muito que já nem sabia porquê estava correndo.

Passado o susto e depois de ter certeza que ninguém realmente a seguia, se escorou em um poste tentando retomar o fôlego. Ouviu um barulho atrás de si e virou-se para ver o que era. Atônita enxergou, apesar das sombras que as latas de lixo faziam, o maldito gato branco a observá-la.

(:|:)

18 de maio de 2009 Posted by | Obsessivos, Psicóticos | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.o.idiota.

Era por volta das 18 horas. Milena desceu a rua que levava à alameda principal. O dia parecia cinzento igual a cor das paredes sujas de sua escola quando era criança. Por algum motivo teve vontade de sair correndo, mas não o fez.  Apertou forte o convite que levava na mão direita, virou a esquina e “BUM”! O garoto vinha muito rápido numa bicleta e não teve tempo de frear. O resultado foi a trombada dos dois em plena calçada. Ele pendeu para o lado esquerdo da bicicleta mas conseguiu se apoiar com o pé. Ela não teve tempo nem de pensar e já estava no chão.

_Oh! Desculpa aí!

O menino falou meio sem graça sem nem olhar para ela direito. Milena estava tão assutada que nem conseguiu responder.

_Tá tudo bem moça? Você se machucou?

Milena ainda nao tinha reação. Por fim o menino desceu da bicicleta e a apoiou num poste, depois  se agachou perto dela. Chacoalhou de leve seu ombro esquerdo.

_Hei moça! Tá tudo bem?

Por fim ela voltou a si, como que num susto. Olhou em volta. Alguns olhares curiosos os observavam. Abriu a mão que levava o convite, com o susto ela o apertara tão forte que ele estava todo amassado; igual dinheiro de bebâdo dentro do bolso. Por fim seus olhos se encontraram com os do menino. Milena não entendeu bem o friozinho que sentiu na barriga, quando ele lhe remeteu um sorriso tímido e preocupado.

_Seu idiota!

Foi tudo o que ela conseguiu dizer, e nem entendeu porquê. Ele tirou a mão do ombro dela assustado com a reação ríspida da jovem. Meio atrapalhada ela se ergueu e ficou de pé enquanto limpava sua roupa. O menino, meio sem jeito, ficou de pé também e olhou firme para ela:

_Me desculpe mais uma vez. Estava tão distraído que… nem vi.

_Por causa da sua distração meu traseiro está doendo muito. E veja, o pneu da sua bicleta ralou minha perna!

Ela disse puxando um pouco o vestido e expondo o arranhão na perna esquerda. Mais uma vez ele ficou sem graça.

_Posso te levar numa farmácia.

_Seu idiota! Estou atrasada!

_…

_Anda! Me leva nessa sua bicicleta.

_Pra farmácia?!

_Claro que não, idiota! Me leva para o teatro municipal. É a estréia do meu namorado. Nem sei como vou conseguir ficar sentada durante uma hora com a bunda doendo desse jeito!!!

_Sinto muito.

_Acredite, eu estou sentindo muito mais!

_…

_Anda logo! Deixa eu subir aí. E nada de andar distraído dessa vez. Eu tenho que chegar lá viva!

_Tá.

_Vai logo, idiota!

Ele subiu na bicleta e Milena  foi de pé em cima do apoio que ficava bem no eixo do pneu de trás, feito justamente para isso. A cena era engraçada. Ele todo moleque levando uma donzela, toda esbelta em seu vestido cor de pêssego em pé na parte de trás da bicicleta, apenas se apoiando no ombro dele.

Ele tentou ficar calmo e pedelar com toda cautela. Apesar da groesseria de Milena, havia algo nela que ele gostara. E ele estava de alguma forma realizado por  estar levando aquela beldade em sua bicleta de playboy pelas calçadas da grande cidade , naquele dia cinzento que começava a se transformar em noite clara.

Chegaram no teatro. Milena desceu e tentou desamassar o convite com delicadeza. Ele esperou algum agradecimento. Na verdade, ele queria ouvir a voz dela de novo falando com ele.  Portanto, qualquer palavra da parte dela o encheria de contentamento.

_O que foi? Não tá querendo que eu te pague pela “corrida”, né?

_Não. Claro que não.

_Então o que? Tá esperando que eu te agradeça? Não passou do teu dever!

Ele gostava daquele jeito com que ela, tão rispidamente, lhe tratava. Não conseguia entender porque. Sempre que ela era grosseira, o garoto a olhava com um olhar assutado, um misto de medo e culpa, e isso fazia Milena sentir o friozinho na barriga com mais intensidade. Por isso, antes de subir as escadas do teatro, Milena olhou fixamente para o rosto apreensivo dele. Ela sorriu ironicamente e disse:

_Afinal, você me atropelou. Idiota!

Milena subiu as escadas apressadamente e ele voltou a pedalar despreocupado. Mas por dentro, os dois estavam sorrindo.

(:|:)

15 de maio de 2009 Posted by | Romances | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.vai.entender.né.?.

Como todo fim de semana, catei minhas coisas, e fui pra casa da minha namorada. Ela era linda, uma verdadeira patricinha cor-de-rosa engajada nas futilidades da moda. Eu era profundamente e cegamente apaixonado por ela. Mas só até aquele fim de semana.

A prima dela, recém formada em medicina, tinha vindo passar o fim de semana com ela para ajudar a cuidar da minha futura sogra, que ainda se recuperava de uma cirurgia de redução de seios. Essa prima da minha namorada era misteriosa. Tinha uma beleza séria e totalmente cativante. Era inteligente, prática, decidida. Tipo assim… ela tinha conteúdo! E que conteúdo! Aquilo assim que era mulher!

Felizmente, no mesmo fim de semana, minha namorada me procurou para terminar o namoro.

_Ai, meu coisito, eu preciso de um homem mais… mais… mais loiro ao meu lado. Nessa temporada os loiros estão em alta… Mas você não vai ficar na depre e nem vai tentar se matar né, meu coisito?! Até porque eu sempre vou lembrar de você com muito carinho e a gente pode continuar sendo amigos. E, olha só, você pode continuar a vir na minha casa sempre que quiser ta bem, meu coisito?!

E com essas palavras, ela terminou comigo.

Sem nada mais, ou ninguém mais, para me impedir fui logo falar com a prima dela. Claro que ela achou estranho, afinal eu era o recente ex da prima dela. Mas ela também estava interessada e marcamos para jantar. Eu fui bem cara de pau e já no primeiro encontro pedi ela em namoro. E não é que ela aceitou! Bem ligeira ela também, né?

Seis meses depois nos casamos e fomos morar na África do Sul e trabalhar numa Ong de auxílio à crianças africanas aidéticas. Isso já faz 13 anos. E, acreditem, somos muito felizes. Quanto a prima dela, ou minha ex-namorada, a úlitma vez que nós a vimos foi há 2 anos no enterro da mãe dela (nossa tia), que morreu durante uma cirurgia para colocar silicone. É isso mesmo! Vai entender né?

(:|:)

6 de maio de 2009 Posted by | Cotidiano, Romances | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.novela.mexicana.

_Você só precisa assinar aqui, meu bem. Então estaremos casados.

Rogéria olhou para Mauro com desprezo. Ela não tinha muitas opções. Seu pai agregara uma dívida muito grande com aquele homem e somente se casando com ele essa dívida seria perdoada. Depois voltou seus olhos para seu pai  que a fitava apreensivo de pé há alguns metros atrás de Mauro.

 _ Não tenho que pagar pelos erros dos outros. E não vou.

Rogéria se levantou encarou Mauro, depois voltando-se para seu pai disse:

_Sinto muito, papai.

E saiu da sala sem atender os clamores de seu pai:

_Rogéria! Por favor minha filha! Não faça isso! Volta aqui…Rogéria!!!

Rogéria andou sem rumo pelas ruas da cidade. Chorava copiosamente. Não queria que seu pai perdesse tudo, mas não podia pagar tão caro por algo que nao fizera. Era sua vida, seus sentimentos, seu coração. Ficou horas andando e tentanto encontrar uma solução para aquele problema. Fazia 8 meses que estava sendo pressionada para casar com Mauro. Esse pensamento a fazia sentir torpor.

Já estava quase anoitecendo quando chegou em casa. Não sabia como ficaria o relacionamento entre ela e seu pai, depois de tudo que acontecera naquela tarde. Chamou por ele. Ninguém respondeu. Subiu as escadas e bateu suavamente na porta do quarto de seu Demétrio. Também nenhuma resposta. Rogéria abriu a porta vagarosamente e tudo pareceu girar quando viu seu pai morto enforcado com um lençol.

(:|:)

5 de maio de 2009 Posted by | Assassinatos | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.psicose.paranóica.induzida.

PARTE III

Os pesadelos eram cada  vez mais constantes. Dormir agora era algo sofrível. Com medo dos sonhos estranhos que tinha toda noite a jovem fazia o possível para dormir o mínimo necessário. Isso a deixava fraca. Dormia mal e quase não tinha força para aguentar a correria dos dias intensos de trabalho. Contudo, parecia não haver outra saída.

Portanto, passou as poucas horas que ainda tinha para descansar acordada. Leu um pouco, assitiu Tv, comeu alguma coisa e voltou para a janela onde ficou a observar o dia que começava a clarear. Que alívio! Foi tomar um banho bem gelado, para despertar e ficar ativa durante o dia. Vestiu seu uniforme cinza, comeu nada mais que uma maçã e foi trabalhar.

Ainda era cedo. Seis horas da manhã. Seu expediente começa às oito horas. Caminhou pela calçada. As ruas ainda estvam vazias e a cidade começava a despertar. Entrou numa padaria há dois quarteiroes do seu apartamento:

_Levantou cedo hoje, querida?

Perguntou uma garçonete já de certa idade que vinha para atende-la toda sorridente:

_É, pois é!

O rosto daquela senhora não lhe era estranho. Mas ela não conseguia lembrar de onde a conhecia.  A senhora a tratou de forma tão familiar, mas ela nunca a tinha visto antes. Nem na padaria nem em nenhum outro lugar. A jovem exitou, mas por fim perguntou:

_Desculpe, mas… já nos conhecemos?

A senhora que servia café para ela disse sorrindo:

_Com certeza não, querida. Claro que não.

A jovem franziu a testa e forçou um sorriso também. Olhou para a xícara com café e disse:

_Hei! Eu não pedi café…

A garçonete voltou-se para ela e replicou cordialmente:

_Mas é o que você quer tomar essa manhã, não é meu bem?

E era. A jovem estranhou aquilo tudo. Aquele jeito gentil da senhora garçonete a irritou. Tudo parecia um de seus sonhos esquisitos.

“Mas estou acordada!” Foi o que pensou ao deixar o dinheiro no balcão e sair da padaria sem nem olhar para trás. As ruas começavam a ganhar vida. E a sintonia de carros e pedestres começava a ganhar ritmo. Atravessou a rua e caminhou até a praça bem no centro da cidade. Ainda tinha tempo para caminhar pouco por ali. Foi o que fez. Seguiu por uma ruazinha de baixo de árvores gigantescas. Parou diante do lago e sentou em um dos bancos de madeira. Tentou ler, mas não conseguia se concentrar. Suas pálpabras começaram a pesar.

De repente um gatinho branco surgiu as seus pés. Se esfregava entre suas pernas pedindo um carinho:

_Oi gatinho lindo!

Ela afagou a cabeça do gatinho que parecia sorrir para ela. Ele deu mais uma volta entre suas pernas e parou diante dela. Ficou a fitá-la. Ela estranhou o  jeito do gato. Tentou chamá-lo para si:

_Pssiu, vem aqui gatinho… Vem…

Foi quando um raio de sol fez algo no pescoço do gato brilhar. A jovem percebeu que ele usava uma coleira e se inclinou para ver o que estava escrito no pingente:

_’Diga adeus’?

Ela franziu a testa com estranheza olhando para o gato. Mas não teve tempo de fazer mais nada  e o gato já havia saltado em sua direção e lhe mordia o pescoço.

Ela sentia os dentes afiados do gato penetrar em seu pescoço. Tentou arrancá-lo fora deseperadamente. Quanto mais gritava, mais sentia uma dor terrivel. Sentiu o sangue escorrendo em seu pescoço e desmaiou.

_Hei moça, você está bem?

Quando a jovem abriu os olhos um menino a observava com os olhos arregalados. Ela rapidamente levou as mãos ao pescoço, mas tudo parecia normal.

_Você cochilou aqui e teve um sonho ruim, foi?

 Indagou o menino curioso e ainda assustado. Ela olhou para ele   constrangida e respondeu:

_É… foi.

De longe alguém chamou pelo menino e ele se foi.

A jovem levantou-se meio perdida. Ainda coma mão no pescoço respirou fundo. Juntou suas coisas  e se foi. Andou apressadamente da praça até a rua, e depois em direção ao escritório onde trabalhava. Sentia seu corpo lento e sua mente  cansada. Mas precisava manter-se bem acordada se quizesse ter um dia tranquilo e sem pesadelos para a incomodar.

A imagem da garçonete sorrindo e do gatinho branco a olhá-la, foram as últimas coisas em que pensou antes de entrar no elevador.

(:|:)

27 de abril de 2009 Posted by | Assassinatos, Obsessivos, Psicóticos | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.psicose.paranóica.induzida.

PARTE II

Quando a jovem abriu os olhos e percebeu que tudo nao passara de um sonho, sua respiração era ofegante, e sentiu seu corpo suado e tão dolorido que levou um tempo para conseguir levantar e caminhar até à janela. O vento era o único que lhe fazia companhia acariciando sua face. Lá fora tudo parecia solitário e monótono. E a noite estava fria e úmida…

(:|:)

7 de abril de 2009 Posted by | Assassinatos, Obsessivos, Psicóticos | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.psicose.paranóica.induzida.

PARTE I

A noite estava fria e úmida. O canto incansável de uma cigarra parecia ser o único barulho nas proximidades. Nenhum carro nas ruas. Nenhum transeunte pelas calçadas. Nenhum cão entremeado entre latas de lixo. Tudo parecia mórbidamente solitário e monótono.

Ninguém percebeu que a bela jovem, deslubrante em seu vestido azul petróleo, subiu no terraço do prédio de 43 andares que morava seu padrinho. Sentada no alambrado ela balançava os pés descalços para o lado de fora. O silêncio da grande metropole ainda não era maior que o silêncio e a solidão do seu coração.

_SALVE-MEEE!

Bradou ela e rompeu em prantos. Tapou o rosto com as duas mãos como que querendo esconder-se de alguém, mas ela estava só ali. Chorou alto e abafado ao mesmo tempo. E por muito tempo, chorou.

Depois do desespero, não se deu ao trabalho de enxugar suas lágrimas, e ficou de pé bem na beirada da quina do alambrado. O dia já começava a nascer. Susurrou um poema. O mesmo que fizera no dia em que sua mãe morreu e que sua irmã mais velha fizera questão que ela recitasse no velório :

_O tempo não traz nenhuma certeza… A vida não garante o amanhã. ..Mas o amor vai além do tempo, …e é ainda mais perfeito além dessa vida.

E emendou com uma última frase:

_E isso é tudo!

Suspirou profundamente, fechou os olhos, abriu os braços, e com um sorriso nos lábios se atirou lá de cima.

Seu corpo chegou ao chão com um som seco, sem eco, sem vida. Mas ninguém percebeu isso também. Talvez o único espectador tenha sido a cigarra, pois seu canto incansável tornou-se ainda mais lamuriante ao amanhecer.

(:|:)

30 de março de 2009 Posted by | Assassinatos, Obsessivos, Psicóticos | , , , , , , , , , | 1 Comentário