JoAnInHaS falam no silêncioOoOo (:|:)

…e o que elas escrevem?!

.poema.de.despedida.

Mui em breve, logo, logo,

nessa doce e pura água

Com alegria eu afogo

essa errante e triste mágoa.

 

Que aperta o coração

e não me deixa viver,

Me enche de ilusão

e  me faz perecer!

 

Num mastro, com um nó,

uma corda eu coloco.

Sem saber bem porquê

aos poucos me sufoco.

 

Louco e impensante,

de tanto beber eu giro.

Depois vou para rua,

e de baixo de um burro me atiro.

 

“Agora vou morrer,

pois não tenho mais fé!”

Então tiro meu sapato

e cheiro meu chulé.

 

Me afogo e tento

me sufocar.

E depois de tudo isso

não consigo me matar!

 

E já sem esperança,

do mundo me despeço.

Mas não chores por mim, querida,

pois amanhã recomeço!

(:|:)

10 de fevereiro de 2010 Posted by | Obsessivos, Psicóticos | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.o.que.é.o.nada.?.

Todos estão andando pelas ruas fingindo estarem distraídos.

Estão buscando alguma coisa. Procuram desesperadamente, mas niguém corre. Ninguém sabe o nome daquilo que procura.

Há uma falsa sombra debaixo dessa árvore, não há como se esconder.

As crianças, sim, estão distraídas. Elas não procuram alguma coisa, a não ser pedrinhas naquele mato que alguns ainda chamam de grama.

Ninguém escolhe a cor dos próprios olhos. Mas todos podem escolher com que cor verão o mundo.

Porque, na verdade, niguém está distraído. Todos estão com os olhos bem abertos… Procurando.

E estas palavras não estão simplesmente soltas ao léu. Estas palavras estão contando uma história; e ela já começou.

Preste atenção.

(:|:)

15 de dezembro de 2009 Posted by | DiVaGaÇõEs | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

.ao.léu.

Ela vagava solta pelas ruas. Ás vezes ligeira, como quem tem hora pra chegar, outrora vagarosa, como quem conta pedrinhas pelo caminho.

Não tinha rumo certo, nem direção definida. Ia pra lá, ia pra cá. Ia ao longe, longe, longe e então voltava para perto, perto perto. De repente parava, como quem adormece ao ler um livro. Mas logo saia serpenteando pelas ruas novamente.

Ás vezes subia, como quem busca alcançar o céu com a ponta dos dedos. Outrora descia, como quem se rasteja cansado de tanto trabalhar.

Ela ia imprevisivelmente pelas ruas. Quase impossível saber para onde ia, ou se e quando voltaria.  Ela ia assim saltintante como quem está apaixonado e sai dançando alegremente.

Mas, ela não estava atrasada, nem adiantada, nem apaixonada. Ela não tinha sentimentos, não como estes que os humanos tem.

Ela era tão somente uma folha verde vibrante que ia aonde o vento a quizesse  levar. Solta. Livre. Ao léu.

(:|:)

3 de dezembro de 2009 Posted by | Fantasia | , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.primavera.

Quando eu abrir a janela, as nuvens escuras terão passado. A tempestade terá tido seu fim. A noite sombria será dia radiante.

Quando eu abrir a janela, terei vontade de sair para pessear. As roupas de luto darão lugar ao alegre vestido vermelho de renda. E o cabelo desgrenhado ganhará a forma de cachos soltos ao vento.

Quando eu abrir a janela, o vento frio terá cessado. As árvores estarão repletas de flores. Haverá novas cores e novos amores.

 Quando eu abrir a jenela, você vai acenar para mim do outro lado da rua e eu devolverei o sorriso. As lágrimas estarão só no passado e eu direi “sim” quando você me convidar para ir à praça.

Sim, abrirei a janela. Mas só quando for PriMaVeRa.

(:|:)

9 de setembro de 2009 Posted by | Fantasia | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.quando.eu.nasci.

Quando me aproximei entendi o que estava acontecendo. Na praça pública, cercada pela multidão apressada, a mulher gritava sentindo as contrações. Não haveria tempo pra mais nada. Me agachei para ajudá-la e ela entrou em trabalho de parto ali mesmo.

Ela estava assustada e eu mais ainda. Nunca fizera um parto naquelas condições. Tentei me acalmar e passar segurança para ela. Eu sabia o que devia fazer. Sabia como fazer. Mas estava atônito mesmo assim. Ela gritou novamente, dessa vez com mais intensidade. Havia terror em seus olhos.

Outra mulher se agachou perto de mim. Era enfermeira e iria ajudar. Fiquei mais aliviado. Tentei sorrir mas foi então que senti um mal estar. Minha cabeça começou a girar. Procurei me concentrar na mulher que gritava ainda mais. Contudo a dor na cabeça estava ficando cada vez mais aguda.

A mulher gritou em desespero. Gritei também. Eu estava morrendo. E no meu caso, ninguém poderia me socorrer naquele momento. A última coisa que vi antes de desmaiar foi a mulher gemendo e desmaiando de dor.

(:|:)

28 de junho de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.psicose.paranóica.induzida.

PARTE IV

Telemarketing. Um serviço cansativo. Uma forma de ser chingada por desconhecidos sem o risco de esganá-los. Trabalho repetitivo e entediante. Fazer a ligação , oferecer o produto, se do outro lado  o cliente faz a compra então  a ligação era encaminhada para o ramal 8, se o cliente não queria comprar então para o ramal 6, se o cliente queria agendar a compra então ramal 7, se o cliente reclamava a chateação então você sorria e dizia que ele estava certo. Não podia ser pior. Mas era. O dia de fazer ouvidoria era o pior. Toda quinta-feira era preciso ligar para os clientes que já haviam efetuado compra para fazer uma pesquisa de satisfatoriedade.

_Não senhor. Eu não quero vender outro dispositivo de alarme. Eu quero somente saber se o senhor está satisfeito com a compra.

_Que compra? Eu não quero comprar nada.

_Eu sei… Consta no nosso cadastro que o senhor fez uma compra de dois dispositivos de alarme, no mês de outubro, estou certa senhor?

_Sim, sim, é.

_Então, eu gostaria de saber se o senhor está satisfeito com sua compra.

_Que compra?

_Ai… Com a compra dos dispositivos de alarme.

_Ah! Aqueles que eu comprei em outubro?

_Isso mesmo senhor.

_Ah sim eu comprei dois dispositivos de alarme em outubro.

_Certo.

_E o que mesmo você quer saber?

_Gostariamos de saber se o senhor está satisfeito com essa compra.

_Ah, sim! Satisfeito, sim.

_Então o senhor poderia responder nossa pesquisa?

_Pesquisa de que?

_Uma pesquisa sobre os dispositivos. Eu vou falar as funções e o senhor vai avaliar de 1 à 10. Então 1 se for muito ruim, até o 10 se for excelente. Tudo bem?

_Sim estou bem, só com uma dor na costas.

_Err… Pois é, eu quero saber se posso fazer a pesquisa, se o senhor entendeu como funciona?

_Ah sim! Pesquisa é sobre o que mesmo?

_Sobre os dois dispositivos de alarme que o senhor comprou em outubro.

_Ah sim! Estou satisfeito, satisfeito. Pode fazer a pesquisa.

_Como o senhor avalia as opções de pagamento do produto?

_É…bom.

_O senhor tem que dizer um numéro de  1 à 10.

_Ah sim! É… 9.

_Como o senhor avalia a funcionalidade do produto?

_Como é? Funci o que?

_Funcionalidade. Se os dispositivos que o senhor comprou funcionam bem.

_Ah sim! Bem, eu não sei.

_O senhor não sabe se funcionam bem?

_Não.

_Por que?

_Porque eu ainda não usei os dispositivos.

_Ai, ai!

Não era possível continuar a pesquisa se o produto ainda não havia sido utilizado. Tudo aquilo parecia mais um de seus pesadelos. Aquela rotina desgraçada a fazia se sentir cada vez mais alienada de sua própria vida, talvez até de sua própria existência.

O relógio marcou 19:00 horas. Fim de expediente. Ajuntou suas coisas o mais rápido que pôde. Mas o chato de seu patrão a alcançou no elevador. Veio se esfregando para perto dela.

_Está fugindo de mim, bonequinha?

_Eu não sou bonequinha. Sou sua funcionária.

_A hora de trabalho já acabou, bonequinha. Agora eu não sou seu patrão. Sou um apaixonado por você. Sabe que você pode ser promovida se ceder aos meus desejos, bonequinha.

Falou o grandão barrigudo apertando-a contra a pareda do elevador. A porta abriu finalmente e ela o empurrou enquanto dizia:

_Eu não quero ser promovida!

E saiu apressadamente enquanto ele dava uma boa garagalhada dela. “Que nojo!” Ela pensava enquanto saia do prédio. Queria pegar um táxi, mas nenhum apareceu. Andou rápido pelas quadras solitárias da cidade até o metrô. Quanto mais se apressava, parecia que mais longe a estação ficava. Achou que alguém a seguia. Não teve coragem de olhar para trás. Só conseguiu correr. Correu muito que já nem sabia porquê estava correndo.

Passado o susto e depois de ter certeza que ninguém realmente a seguia, se escorou em um poste tentando retomar o fôlego. Ouviu um barulho atrás de si e virou-se para ver o que era. Atônita enxergou, apesar das sombras que as latas de lixo faziam, o maldito gato branco a observá-la.

(:|:)

18 de maio de 2009 Posted by | Obsessivos, Psicóticos | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.o.idiota.

Era por volta das 18 horas. Milena desceu a rua que levava à alameda principal. O dia parecia cinzento igual a cor das paredes sujas de sua escola quando era criança. Por algum motivo teve vontade de sair correndo, mas não o fez.  Apertou forte o convite que levava na mão direita, virou a esquina e “BUM”! O garoto vinha muito rápido numa bicleta e não teve tempo de frear. O resultado foi a trombada dos dois em plena calçada. Ele pendeu para o lado esquerdo da bicicleta mas conseguiu se apoiar com o pé. Ela não teve tempo nem de pensar e já estava no chão.

_Oh! Desculpa aí!

O menino falou meio sem graça sem nem olhar para ela direito. Milena estava tão assutada que nem conseguiu responder.

_Tá tudo bem moça? Você se machucou?

Milena ainda nao tinha reação. Por fim o menino desceu da bicicleta e a apoiou num poste, depois  se agachou perto dela. Chacoalhou de leve seu ombro esquerdo.

_Hei moça! Tá tudo bem?

Por fim ela voltou a si, como que num susto. Olhou em volta. Alguns olhares curiosos os observavam. Abriu a mão que levava o convite, com o susto ela o apertara tão forte que ele estava todo amassado; igual dinheiro de bebâdo dentro do bolso. Por fim seus olhos se encontraram com os do menino. Milena não entendeu bem o friozinho que sentiu na barriga, quando ele lhe remeteu um sorriso tímido e preocupado.

_Seu idiota!

Foi tudo o que ela conseguiu dizer, e nem entendeu porquê. Ele tirou a mão do ombro dela assustado com a reação ríspida da jovem. Meio atrapalhada ela se ergueu e ficou de pé enquanto limpava sua roupa. O menino, meio sem jeito, ficou de pé também e olhou firme para ela:

_Me desculpe mais uma vez. Estava tão distraído que… nem vi.

_Por causa da sua distração meu traseiro está doendo muito. E veja, o pneu da sua bicleta ralou minha perna!

Ela disse puxando um pouco o vestido e expondo o arranhão na perna esquerda. Mais uma vez ele ficou sem graça.

_Posso te levar numa farmácia.

_Seu idiota! Estou atrasada!

_…

_Anda! Me leva nessa sua bicicleta.

_Pra farmácia?!

_Claro que não, idiota! Me leva para o teatro municipal. É a estréia do meu namorado. Nem sei como vou conseguir ficar sentada durante uma hora com a bunda doendo desse jeito!!!

_Sinto muito.

_Acredite, eu estou sentindo muito mais!

_…

_Anda logo! Deixa eu subir aí. E nada de andar distraído dessa vez. Eu tenho que chegar lá viva!

_Tá.

_Vai logo, idiota!

Ele subiu na bicleta e Milena  foi de pé em cima do apoio que ficava bem no eixo do pneu de trás, feito justamente para isso. A cena era engraçada. Ele todo moleque levando uma donzela, toda esbelta em seu vestido cor de pêssego em pé na parte de trás da bicicleta, apenas se apoiando no ombro dele.

Ele tentou ficar calmo e pedelar com toda cautela. Apesar da groesseria de Milena, havia algo nela que ele gostara. E ele estava de alguma forma realizado por  estar levando aquela beldade em sua bicleta de playboy pelas calçadas da grande cidade , naquele dia cinzento que começava a se transformar em noite clara.

Chegaram no teatro. Milena desceu e tentou desamassar o convite com delicadeza. Ele esperou algum agradecimento. Na verdade, ele queria ouvir a voz dela de novo falando com ele.  Portanto, qualquer palavra da parte dela o encheria de contentamento.

_O que foi? Não tá querendo que eu te pague pela “corrida”, né?

_Não. Claro que não.

_Então o que? Tá esperando que eu te agradeça? Não passou do teu dever!

Ele gostava daquele jeito com que ela, tão rispidamente, lhe tratava. Não conseguia entender porque. Sempre que ela era grosseira, o garoto a olhava com um olhar assutado, um misto de medo e culpa, e isso fazia Milena sentir o friozinho na barriga com mais intensidade. Por isso, antes de subir as escadas do teatro, Milena olhou fixamente para o rosto apreensivo dele. Ela sorriu ironicamente e disse:

_Afinal, você me atropelou. Idiota!

Milena subiu as escadas apressadamente e ele voltou a pedalar despreocupado. Mas por dentro, os dois estavam sorrindo.

(:|:)

15 de maio de 2009 Posted by | Romances | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário