JoAnInHaS falam no silêncioOoOo (:|:)

…e o que elas escrevem?!

.o.que.é.o.nada.?.

Todos estão andando pelas ruas fingindo estarem distraídos.

Estão buscando alguma coisa. Procuram desesperadamente, mas niguém corre. Ninguém sabe o nome daquilo que procura.

Há uma falsa sombra debaixo dessa árvore, não há como se esconder.

As crianças, sim, estão distraídas. Elas não procuram alguma coisa, a não ser pedrinhas naquele mato que alguns ainda chamam de grama.

Ninguém escolhe a cor dos próprios olhos. Mas todos podem escolher com que cor verão o mundo.

Porque, na verdade, niguém está distraído. Todos estão com os olhos bem abertos… Procurando.

E estas palavras não estão simplesmente soltas ao léu. Estas palavras estão contando uma história; e ela já começou.

Preste atenção.

(:|:)

15 de dezembro de 2009 Posted by | DiVaGaÇõEs | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

.24.de.novembro.de.2008.

Sim, e daí?!

Não tenho vergonha de admitir que ainda gosto de você.

Vergonha é negar o que se sente e fingir ser indiferente.

Vergonha é esconder um sentimento que está vivo em cada momento.

Vergonha é ficar calado,  quando a tanto para ser falado.

Vergonha é fingir que não quer ver, quando é impossível não perceber.

Vergonha é calar a voz, quando se tem a oportunidade de conversar a sós.

Vergonha é deixar que o outro desista, simplesmente por não ter coragem de assumir o que se conquista.

Não tenho vergonha de admitir que ainda gosto de você.

Bem como não tenho vergonha de admitir que desejo que chegue logo o dia em que não gostarei mais.

Então simplesmente seremos amigos…

Pois o que somos hoje ainda não descobri.

(:|:)

10 de novembro de 2009 Posted by | Conto de Fadas sem Fadas, Realidade, Romances | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.primavera.

Quando eu abrir a janela, as nuvens escuras terão passado. A tempestade terá tido seu fim. A noite sombria será dia radiante.

Quando eu abrir a janela, terei vontade de sair para pessear. As roupas de luto darão lugar ao alegre vestido vermelho de renda. E o cabelo desgrenhado ganhará a forma de cachos soltos ao vento.

Quando eu abrir a janela, o vento frio terá cessado. As árvores estarão repletas de flores. Haverá novas cores e novos amores.

 Quando eu abrir a jenela, você vai acenar para mim do outro lado da rua e eu devolverei o sorriso. As lágrimas estarão só no passado e eu direi “sim” quando você me convidar para ir à praça.

Sim, abrirei a janela. Mas só quando for PriMaVeRa.

(:|:)

9 de setembro de 2009 Posted by | Fantasia | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário