JoAnInHaS falam no silêncioOoOo (:|:)

…e o que elas escrevem?!

.o.que.é.o.nada.?.

Todos estão andando pelas ruas fingindo estarem distraídos.

Estão buscando alguma coisa. Procuram desesperadamente, mas niguém corre. Ninguém sabe o nome daquilo que procura.

Há uma falsa sombra debaixo dessa árvore, não há como se esconder.

As crianças, sim, estão distraídas. Elas não procuram alguma coisa, a não ser pedrinhas naquele mato que alguns ainda chamam de grama.

Ninguém escolhe a cor dos próprios olhos. Mas todos podem escolher com que cor verão o mundo.

Porque, na verdade, niguém está distraído. Todos estão com os olhos bem abertos… Procurando.

E estas palavras não estão simplesmente soltas ao léu. Estas palavras estão contando uma história; e ela já começou.

Preste atenção.

(:|:)

Anúncios

15 de dezembro de 2009 Posted by | DiVaGaÇõEs | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

.eu.não.sei.

Augustus só queria se esquivar das obrigações de esclarecer a situação provocada por ele.

_Eu não sei.

Era tudo o que ele dizia para se explicar e se defender. Milena não se conformava com a atitude dele. Ninguém naquela situação iria aceitar, é claro, mas Milena tinha bons motivos para reminicar a todo instante.

Augustus e Milena iriam casar em 3 semanas e ele havia aceitado uma proposta de emprego que o obrigaria a se mudar para Espanha em 6 dias. A questão é que ele ainda queria casar com Milena e por isso ninguém entendia o motivo que o levara a aceitar o emprego sem nem falar com ela. Quando todos perguntavam a razão de tão descabida decisão ele respodia:

_Eu não sei.

E lá iam todos novamente discursar prolixamente nos ouvidos dele. Nisso Milena se retirava para  um conta e se colocava a chorar inconformada. Entre um argumento e outro surgia uma e outra pergunta dirigida a ele:

_Por que você aceitou sem nem falar com Milena?

_Por que você não esperou a data do casamento?

_Por que não apresentou uma contra proposta?

_Por que você não recusa  esse emprego?

_Por que não muda de idéia?

_Por que não se defente, não se explica? Por que não diz alguma coisa?

Não importava a pergunta. A resposta dele era sempre a mesma:

_Eu não sei, eu não sei!

Ninguém sabia explicar, nem Milena, nem o próprio Augustus. Se ele estava hipnotizado? Se estava bebâdo? Se estava agindo por ameaça? Se era só uma pegadinha para a noiva? Se tudo não passava de um mal entendido? Se no fundo ele não queria casar e estava dando seu jeito para acabar o noivado? Se ele estava sob efeito de remédios ou drogas? Se ele estava louco? Se ele era burro?

Bem… Aí, eu não sei!

(:|:)

7 de outubro de 2009 Posted by | Cotidiano, Geral | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.eu.gostaria.

Pai, Mãe e Edu,

eu gostaria que tudo fosse bem rápido. Nada com muito exagero, pompas ou nostalgias. Não quero decorações exageradas, nem aquelas  flores comuns nestas ocasiões.

Gostaria também que minha roupa fosse branca, do jeito que eu gosto e como tem que ser, um vestidinho bem leve com rendinhas, nada de muitos “frufrus”. No cabelo aquela borboletinha com pedrinhas brilhantes. Uma maquiagem bem suave. Não quero chamar atenção, mesmo sabendo que eu serei o centro das atenções.

Não quero aquele conglomerado de pessoas ao meu redor, que cada um tenha o seu lugar e permaneça lá. Eu gostaria que com certo pudor, tudo fosse bem organizado e premeditado, que seguisse um roteiro, que tivesse um protocolo.

Gostaria que cantassem uma música acompanhada de violino, sem muitas frescuras. Gostaria também que o ministrante fosse objetivo em suas palavras para não cansar os presentes e para que tudo termine o mais rápido possível.

Depois da cerimônia formal, gostaria que tudo seguisse normalmente conforme deve ser. O cortejo deve sair da igreja e se dirigir ao Jardim do Lago sem desviar a rota. Tudo sempre com muita discrição, nada de “exaltações”.

Gostaria que no Jardim do Lago, todos também ocupassem seu lugar e o mestre de cerimônia lesse o meu discurso que já está escrito e guardado no envelope azul na gaveta do escritório. Gostaria que ele lesse tudo até o fim e depois abrisse a oportunidade para algum parente ou amigo discursar, se alguém o quiser fazer, é claro. Tudo sempre sem escândalos.

Ao final gostaria que outra música fosse cantada ao som do violino enquanto meu caixão estiver sendo descido ao túmulo. Joguem flores se quiserem, mas gostaria que não houvesse nehum tipo de manifestação desesperada, nem lamúrias e soluços desconsolados.

Gostaria que em minha lápide estivesse o seguinte epitáfio: “Viveu, e como a todos sucede, morreu.” Nada de dizeres que causem comoção. Se palavras em vida não tiveram efeito para me curar, muito menos em morte me fariam voltar a viver. 

E por fim, gostaria de ser lembrada com serenidade, e que este rosto jovem que comigo irá para a sepultura, é que permaneça para sempre guardado na memória dos que ficarem e que alcançarem a desejada e temida velhice. Ah! Quem me dera conhecê-la!

Não são regras, leis, nem ordens. São apenas meus últimos desejos para minha cerimônia fúnebre. Não são obrigações, apenas coisas simples de que eu gostaria que acontecessem naquele dia que será triste para todos nós: o dia do ‘adeus’.

Ternamente,

Zuzi.

(:|:)

28 de setembro de 2009 Posted by | Cotidiano, Família, Realidade | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.a.ligação.

Já era hora de receber uma ligação do Carlos. Fazia uma semana que nós tínhamos almoçado juntos e nada. Então finalmente ele ligou. Mas sabe o que ele me disse? Você não vai acreditar! Porque eu também quase não acreditei. Ele ligou para perguntar se eu tinha o número da Ge. Acredita nisso? Ele quer sair com ela! Eu devia ter desconfiado… Ele perguntou tanto dela. Mas eu nem me liguei na hora. Ai, que raiva! E sabe o pior? Ele disse que se der tudo certo ele vai me agradecer pelo resto da vida, e eu serei a madrinha de casamento deles. Que rídiculo! Pára de rir porque não foi com você não, tá?!

(:|:)

21 de agosto de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , | Deixe um comentário

.na.calada.da.noite.

Quando a menina desligou a televisão todos já estavam dormindo. Ela perambulou pela casa escura ainda insone. Desceu as escadas e sentiu um friozinho pelo corpo. Lá fora ventava muito e tudo parecia mais silencioso que o normal.

Foi até a cozinha e abriu a geladeira. Nada parecia lhe agradar. Foi então que ouviu um ruído vindo da sala. Andou devagar e silenciosamente pela porta lateral.

_Tem alguém aí? … Pai? … Lucy? … Erik? … Quem tá aí?

Ninguém respondeu. Achou que devia ser coisa de sua cabeça. Mas quando virou-se para voltar à cozinha viu um vulto passando pelo outro lado da escada indo direto para a porta do porão.

_Hei! Eu te vi! Pode aparecer! Quem é você? O que você quer aqui?

Mesmo com medo ela foi cautalesomente em direçao à escada. Tudo parecia arrepiante e meio fora da realidade. Ela pensou estar sonhando. Ficou  meio confusa. Chegou em frente à porta do porão. Estava entreaberta. O que fazer? Deveria entrar? Quem estaria lá? Seria seguro ou perigoso? Deveria chamar alguém ou entrar ali sozinha?

Abriu a porta devagar. A luz do porão não ascendeu. Achou estranho. Desceu as escadas com cuidado. Sentiu que havia mais alguém ali. O ar estava diferente. Foi aí que se arrependeu do que estava fazendo. Mas já era tarde demais. A porta se fechou e ela  sentiu mãos quentes a segurá-la. Tentou gritar mas não conseguiu.

Depois disto, 5 anos se passaram e ninguém nunca mais a viu. Como eu sei disso? Bem, se eu te contasse você também desapareceria na calada da noite.

(:|:)

13 de julho de 2009 Posted by | Fantasia, Psicóticos | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.04.de.julho.de.2001.

Ele era um rapaz legal. Na verdade o único amigo que fizera durante seis meses.

As meninas não se aproximavam de mim. Nunca havia conversado com nenhuma garota do meu colégio. Não que as oportunidades nunca surgissem, porque vez ou outra apareciam. Mas as “conversas” consistiam em cinco ou seis palavras de ambas as partes. Sempre que elas descobriam que ele era meu amigo inventavam uma desculpa e saiam de fininho.

Mas isso não importava pra mim. Ele era um rapaz legal. Era meu melhor amigo. Meu único amigo. Às vezes quando caminhávamos juntos pela ruas ruas da cidade, as pessoas nos olhavam de atravessado e cuchichavam coisas sobre nós. Isso me irritava. Ele sempre percebia e perguntava:

_ Você quer ir pra casa?

E eu sempre respondia:

_ Não.

Depois disso havia sempre silêncio entre nós. Então quando eu não aguentava mais de tanta raiva ele perguntava:

_ Você não se importa em ser minha amiga?

_ Não – Eu dizia.

Entretanto em uma dessas caminhadas quando ele fez essa pergunta e eu como de costume dei minha resposta, ele me disse algo inesperado:

_ Você é a única amiga que eu já tive em toda minha vida!

Me emocionei. Comcerteza eu teria dito a mesma coisa se não fosse uma lágrima que quase escapou dos meus olhos. Fiquei sem saber o que dizer. Naquele momento percebi que ele era muito mais que um amigo, era um anjo. Era alguém especial que Deus havia colocado em minha vida.

Ele sabia da minha vida inteira e me conhecia perfeitamente. Eu, no entanto, mal sabia seu sobrenome. A vida dele era um mistério para mim.

Quando tive que ir embora me entristeci muito. Vi uma tristeza profunda em seus olhos quando lhe contei. Os risos e alegrias que até então ele sempre deixara transparecer,  em seu rosto não mais se via. Ele com os olhos cheios de lágrimas olhou para mim e disse:

_ Eu amo você!

Beijou minha mão e depois levantou-se. Deu alguns passos, olhou para trás e disse adeus. Nunca mais o vi. Fui embora e nunca mais o vi. Ele sumiu de repente. Talvez fosse mesmo um adeus eterno. Semvolta. Choro sua lembrança! Choro esse amor perdido. Mas sei que se ainda estiver vivo, voltará para mim!

(:|:)

 

8 de julho de 2009 Posted by | Romances | , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.zzzzzzz.

Ele era um mosquitinho feliz.

Mas sua vida terminou quando um jornal veio de encontro ao seu nariz.

Nunca mais sorriu. E seu assassinato não foi noticiado nos jornais.

(:|:)

20 de maio de 2009 Posted by | Cotidiano | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.novela.mexicana.

_Você só precisa assinar aqui, meu bem. Então estaremos casados.

Rogéria olhou para Mauro com desprezo. Ela não tinha muitas opções. Seu pai agregara uma dívida muito grande com aquele homem e somente se casando com ele essa dívida seria perdoada. Depois voltou seus olhos para seu pai  que a fitava apreensivo de pé há alguns metros atrás de Mauro.

 _ Não tenho que pagar pelos erros dos outros. E não vou.

Rogéria se levantou encarou Mauro, depois voltando-se para seu pai disse:

_Sinto muito, papai.

E saiu da sala sem atender os clamores de seu pai:

_Rogéria! Por favor minha filha! Não faça isso! Volta aqui…Rogéria!!!

Rogéria andou sem rumo pelas ruas da cidade. Chorava copiosamente. Não queria que seu pai perdesse tudo, mas não podia pagar tão caro por algo que nao fizera. Era sua vida, seus sentimentos, seu coração. Ficou horas andando e tentanto encontrar uma solução para aquele problema. Fazia 8 meses que estava sendo pressionada para casar com Mauro. Esse pensamento a fazia sentir torpor.

Já estava quase anoitecendo quando chegou em casa. Não sabia como ficaria o relacionamento entre ela e seu pai, depois de tudo que acontecera naquela tarde. Chamou por ele. Ninguém respondeu. Subiu as escadas e bateu suavamente na porta do quarto de seu Demétrio. Também nenhuma resposta. Rogéria abriu a porta vagarosamente e tudo pareceu girar quando viu seu pai morto enforcado com um lençol.

(:|:)

5 de maio de 2009 Posted by | Assassinatos | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.uma.outra.história.

Era uma vez uma formiguinha. Forte e pequenininha. Ia e vinha, pra lá e pra cá, sempre contribuindo com o bom funcionamento do formigueiro.

Mas essa formiguinha era diferente. Ela tinha o sonho de viajar pelo mundo. Conhecer outros lugares. Outras formigas. Ela queria ir além de seu formigueirinho limitado.

Foi então, que um dia, quando ela estava caminhando na fila das formiguinhas com um grande pedacinho de folha verde  em suas costas, uma borboleta aterrisou ali perto. Ela era grande, com asas vibrantes e coloridas. A formiguinha ficou encantada. Largou sua folhinha e correu até a borboleta.

Se aproximou tímida sem saber o que dizer. A formiga, que já era pequena, se sentia ainda mais minúscula perto da borboleta. A borboleta virou-se para ela e sorriu:

_Farei uma longa viagem. Sou o único inseto capaz da atravessar o oceano. Quer vir comigo?

A formiguinha nem acreditava que havia recebido um convite desses. Era sua oportunidade de conhecer o mundo e atravessar o oceano, (seja lá quem fosse esse tal de ocenano de quem ela nunca tinha ouvido falar).

_Eu quero! Quero muito!  – Respondeu a formiga feliz e entusiasmada.

Então a formiga subiu nas costas da borboleta e se segurou bem. A borboleta começou a voar pelo jardim. Apesar do frio na barriga, a formiguinha achou tudo aquilo maravilhoso e só conseguia sorrir ao pensar que seu sonho estava sendo realizado.

Lá em baixo a fila de formigas trabalhadoras seguia normalmente, a não ser por aquela parte do percurso que elas desviavam em torno de um grande pedacinho de folha verde que ficou esquecido no caminho; e que mais tarde seria confundido com uma joaninha verde por um joaninho apaixonado. Ma isso já é outra história.

(:|:)

30 de abril de 2009 Posted by | Animais Falantes | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

.somos.únicos.

Muitas formigas, um formigueiro. Muitos palhaços, um circo. Muitas palavras, um livro. Muitos acordes, uma música. Muitas flores, um jardim. Muitos ingredientes, um bolo. Muitas lágrimas, um choro. Muitas vozes, um coro.  Muitas pessoas, uma única semelhança: diferença!

(:|:)

28 de abril de 2009 Posted by | Geral | , , , , , , , | Deixe um comentário